Tókio vence final da 12ª edição da Copa Futsal do Porto Novo, depois de estar a perder por 3-0

11/12/2017 02:01 - Modificado em 11/12/2017 02:01

Chegámos ao final de mais uma edição da Copa Futsal, 12 anos depois da bola ter rolado pela primeira vez. O recinto 05 de Julho, no Porto Novo, recebeu a final da 12ª edição do evento desportivo. A equipa do Porto Novo levou a melhor sobre a representante do Paul que, após uma reviravolta no resultado, conquistou a sua terceira final da copa. É que na primeira parte, a equipa Estrela Real do Paul vencia por três bolas sem resposta, mas terminou o jogo com uma derrota por 4-3 no marcador e acabou por perder a oportunidade de ser a primeira equipa de fora a conquistar o troféu.

Para chegar à final, o Estrela Real venceu nas meias-finais o Feyenoord e o Tókio venceu o Madrugs, por 7-5 e 3-2 respectivamente. O tricampeão Lagostinha caiu nos quartos com uma pesada derrota de 9-5 aplicada pelo Feyenoord.

Casa cheia com uma afluência maior do que aquilo que o recinto permitia. As duas equipas entraram em campo com um único objectivo em mente: conquistar o título. Foi a segunda vez que as duas formações se defrontaram nesta edição, na fase de grupos ficaram empatadas a quatro bolas.

A jogar em casa, a equipa do Tókio não começou bem o jogo, que na primeira parte foi completamente dominado pelos adversários do Paul que participavam pela segunda vez e depois de terem sido os finalistas vencidos na Copa da Ribeira Grande, não conseguiram a melhor, para o desespero dos adeptos que os acompanharam até à cidade.

O jogo começou bem para a equipa do Paul, considerada a equipa sensação do evento, que na primeira metade da primeira parte abriu o placar, afirmando a equipa como o dominador do jogo e logo no minuto seguinte aumentou o resultado para dois e pressionava a equipa do Porto para ser mais agressiva. No entanto, a estratégia não estava a funcionar, porque cinco minutos antes do término da primeira parte, a Estrela Real fez o terceiro e parecia que o jogo estava encaminhado, bastando gerir o jogo de forma agressiva na segunda parte.

E não é que o mais improvável aconteceu? Logo aos dois minutos e meio, o Tókio, com uma atitude mais agressiva e com garra de reassumir o domínio do jogo em sua casa, reduziu o resultado para 3-1, por intermédio de Oceano, o que lhe deu grande confiança no jogo e, a partir daí, foram para cima dos “paulenses” e a “chuva de golos começou”. Aos sete minutos, Ima reduz e, aos 9 minutos Davy empata. Aos seis minutos do final da partida, o número cinco, Ima, bisa e faz o 4-3. Reviravolta que se manteve até ao final do jogo, para desilusão do Estrela Real e empolgação da equipa do Tókio que se mostrou na final ser a equipa mais forte e conquistou o troféu pela terceira vez.

A equipa ainda levou para casa o prémio de melhor treinador, melhor guarda-redes, melhor jogador da final, troféu entregue também ao guarda-redes, escolha do público, segundo a organização.

Melhor jogador da Copa Futsal 2017 foi para o jogador do Estrela Real, “Tita”. Equipa que também levou o troféu Fair Play.

No final da partida, os dois técnicos mostraram-se um satisfeito pela prestação da sua equipa e o outro, desiludido com a má prestação na segunda parte.

Juselito Vitória, técnico do Tókio, diz que se estava a perspectivar uma partida difícil, mas que apesar do aparente controlo do jogo por parte do adversário, a sua equipa mostrou ter garra e determinação para vencer o jogo que, a priori, estava bastante complicado. “Levamos o jogo à nossa maneira na segunda parte e foi assim que conseguimos a nossa vitória”, enfatizou.

Por seu lado, o técnico do Estrela Real, Eder Monteiro diz que aconselhou a equipa a jogar de maneira mais agressiva, esquecendo o resultado, com os homens que lhe deram confiança e entraram na segunda parte, como se não quisessem jogar bola.

A organização dá nota positiva ao evento, que após dois meses de jogo, com alguma dificuldade, conseguiu, uma vez mais, ter uma boa final com uma grande moldura humana. Isso demonstra, no entender do Presidente do Grupo Dinamizador dos Desportos de Salão do Porto Novo, João Fonseca “Shéu”, a qualidade do evento a nível nacional e perspectiva alcançar ainda melhores voos e, para isso, afirma que são precisas melhores infra-estruturas para mais e melhores condições, como a construção de um gimnodesportivo para receber o evento, porque Porto Novo e Santo Antão estão a precisar.

E, assim, cai o pano sobre a edição doze da Copa de Futsal, que na final contou com a presença do Ministro do Desporto, Fernando Elísio Freire, no âmbito de uma visita de dois dias ao Concelho do Porto Novo.

 

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.