Augusto Neves : “A FIC é um  instrumento fundamental do nosso espaço geográfico.”

16/11/2017 07:34 - Modificado em 16/11/2017 09:52

Esta quarta-feira aconteceu em Mindelo a abertura oficial da Feira Internacional de Cabo Verde – FIC 2017 que contou com a presença de diversas personalidades entre elas o Ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, o PCA da FIC, o presidente da Câmara de Comercio, bem como o presidente da Câmara Municipal de São Vicente, conduziram a abertura do certame, considerado a maior feira de negócios de Cabo Verde.

Este último realçou o fato deste ser a maior montra de negócios, mas não antes de fazer uma explanação sobre a história de São Vicente. Augusto Neves diz que toda a projecção de negócios feitos em Cabo Verde mostram a grandeza da feira e que este tem contribuido de forma a fazer crescer a economia de São Vicente e da economia nacional. “Este é um momento de concretização de negócios mas não podemos deixar de lado as nossas obrigações e a nossa história”, disse Neves no seu discurso de abertura do evento que arrancou esta quarta feira, 15 de Outubro e encerra no domingo, 19.

A feira, segundo Neves e que se tem constatado ao longo destas vinte e uma edições, tem como objectivo mostrar o que a ilha e o país têm de melhor, e “ouso afirmar que o nosso país tem muita coisa boa, começando pelo seu povo, simples ordeiro, determinado trabalhador” frisa Neves que considera ainda que no contexto atual económico do país e do mundo é necessário “garantir um alinhamento estratégico entre os diversos parceiros”.

O edil mindelense que falava na abertura da vigésima edição da FIC, diz que a busca pela competitividade e de um mercado fortalecido passa por uma constante, e “uma coisa que não se pode negar, é a grandiosidade que a feira tem. Com cada vez mais, de ano para ano, mais expositores, atraindo investimentos internacionais gerando mais força e mais trabalho. Vivemos momentos singulares da vida nacional, de muitas expectativas de confiança de diálogo de descentralização, de desenvolvimento e de grandes decisões e medidas”.

Entre eles, de acordo com o presidente da CMSV, da decisão de resolução dos grandes problemas dos terrenos, arranque de grandes investimentos como a estrada da cidade Baia das Gatas e a requalificação da própria praia, a construção do terminal de cruzeiros, os trabalhos para da zona económica especial para a economia marítima de São Vicente, entre outros, que no entender de Augusto Neves são necessários para o desenvolvimento da ilha.

Sendo assim recomenda, a FIC como instrumento fundamental do nosso espaço geográfico. Na escala nacional, diz, a Feira Internacional de Cabo Verde deve ser observada como utensílio de desenvolvimento estratégico a fim de servir o colectivo e as expectativas face as políticas públicas e privadas do sector marítimo, da cultura, indústria e todos os outros que contribuem para o desenvolvimento nacional, esclarece o governante.

 

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.