Mulher desmente em tribunal acusação de agressão sexual sofrida

19/10/2017 03:29 - Modificado em 19/10/2017 03:29
| Comentários fechados em Mulher desmente em tribunal acusação de agressão sexual sofrida

Dois indivíduos acusados do crime de agressão sexual ouvidos esta quarta-feira, no segundo juízo crime do tribunal da Comarca de São Vicente, viram a queixa ser retirada depois da suposta vitima ter afirmado em tribunal, durante audiência de julgamento que os acusou de a terem forçado a ter relações sexuais porque sentiu raiva, ultrajada e enganada.

Isso porque conforme contou em tribunal a mulher de 45 anos, ela e os dois homens fizeram sexo porque estes a prometeram, durante a conversa enquanto caminhavam em Ribeira Vinha, depois de terem se deslocado da cidade e ido por ali parar, mil escudos cada um se ela concordasse em fazer sexo com os dois.

Só que depois de completar o acto, os dois homens Manuel e Admilson recusaram a cumprir o pré acordo estabelecido, o pagamento dos dois mil escudos referente ao “serviço” prestado.

Esta diz que vendo que não iriam cumprir o acordo saiu de perto deles cheio de raiva e humilhada, no caminho encontrou uma mulher que a viu no estado abalada resolveu manipular os factos e contar a policia, após manipular os factos sobre a suposta agressão sexual sofrida.

Factos

De acordo com o tribunal, os dois homens pediram boleia a um senhor em Monte Sossego e no caminho agrediram o motorista levando-o depois para o hospital para receber tratamento e saíram no carro dele a passear enquanto o motorista do veículo recebia procedimento hospitalar.

Os acusados negaram os factos, sobre a agressão ao motorista e a mulher. Em relação ao motorista afirmam que depois de receberem a boleia rumo a casa de um deles, em Fonte Filipe, o homem saiu do carro e caiu batendo com a cabeça no chão perdendo instantaneamente os sentidos. Preocupados com o seu estado deslocaram com ele ao hospital e depois saíram no carro, encontrando a mulher no caminho e oferecendo-lhe boleia e convidando-a a beber com eles.

O condutor do dito veiculo chamado a prestar declarações disse que não se lembrava de quase nada apenas de os ter dado boleia, com muita relutância e, depois acordou no hospital e o veiculo que conduzia tinha desaparecido.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.