Mário Semedo lidera uma candidatura com valore 11 valores para o futebol cabo-verdiano

14/10/2017 16:01 - Modificado em 15/10/2017 23:03

Candidatura de Mário Semedo assente em “11 valores para o futebol cabo-verdiano”, que são: Boa governação; Formação; Futebol jovem, Diáspora; Futebol feminino; Seleções nacionais, Futebol sénior; Legislação, ética, fair play; relacionamento institucional; Comunicação e marketing; Futebol Social. Pontos essência, segundo a candidatura de Mário Semedo, que quer voltar ao leme da Federação Cabo-verdiana de Futebol, depois da sua saída em 2015.

Onze valores bastantes exigentes e vai requerer muito trabalho da equipa diretiva, conforme Semedo, muito credível que dará garantias de execução do programa. Sendo um dos objetivos, a preparação da selecção nacional, a participação na CAN 2019 e 2021, bem como atingir a fase final do campeonato do mundo de futebol em 2022, em Qatar.

Um novo modelo do campeonato nacional, com a introdução do nacional de segunda divisão, retomar a Taça de Cabo Verde e a Supertaça de Cabo Verde.

Lista candidatura “11 Valores para o futebol cabo-verdiano

Presidente – Mário Semedo

Direção – Gerson Melo; Joel Évora; Inácio Cunha; Lito Semedo; Paulo Santos; Rui Évora;

Assembleia-Geral – Álvaro Cruz

Conselho de Justiça – Hernâni Soares

Conselho Fiscal – Luís Aguiar

Conselho Disciplina – Samuel Cosmo

  1. Maria Fortes

    [EXTRAÍDO DO JORNAL “O OBSERVADOR DE 15.10.2017]

    O Ministério Público de Cabo Verde está a investigar suspeitas dos crimes de abuso de confiança e associação criminosa na Federação Cabo-Verdiana de Futebol, segundo informação disponível no site da Procuradoria-Geral da República.

    O atual presidente da Comissão de Gestão da Federação Cabo-Verdiana de Futebol (FCF) e candidato às eleições de 28 de outubro, Mário Avelino, revelou na semana passada que a Polícia Judiciária (PJ) estava a investigar suspeitas de corrupção na federação, nos mandatos de Mário Semedo e de Vítor Osório.

    O Ministério Público confirma a investigação, mas esclarece que o que está em causa são suspeitas dos crimes de abuso de confiança e associação criminosa e não indica qual o período em causa.

    Segundo a PGR, a investigação foi decidida em agosto depois de terem chegado ao conhecimento do Ministério Público “factos relativos à gestão da Federação Cabo-verdiana de Futebol suscetíveis de indiciarem a prática de ilícitos criminais”.

    “Atento à natureza e especificidade dos ilícitos, o Ministério Público delegou competências na Polícia Judiciária para realização de diligências de investigação, visando o esclarecimento dos factos e determinar a sua relevância jurídico-penal”, adianta o comunicado.

    Em conferência de imprensa, o atual presidente da Comissão de Gestão da FCF, Mário Avelino revelou ter recebido um pedido do departamento Central de Investigação à Corrupção e Criminalidade Económica e Financeira da PJ a pedir, entre outros, o relatório de atividades de 2015.

    O dirigente indicou que se trata de um relatório do primeiro ano de mandato de Vítor Osório como presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), em que consta o desaparecimento de equipamentos no período de gestão de Mário Semedo.

    Em agosto, após ser destituído do cargo, Vítor Osório denunciou sumiço de mais de 700 equipamentos, patrocinados pela empresa portuguesa Lacatoni, que nunca terão chegado ao destino e dos quais não se conseguiu encontrar o rasto. Na mesma altura, Mário Semedo desmentiu o desaparecimento dos equipamentos da seleção.

    Na conferência de imprensa, Mário Avelino informou que a PJ cabo-verdiana solicitou ainda documentos relativos a um contrato de arrendamento entre Mário Semedo, a empresa Locatoni e três outras partes.

    O dirigente, que agora termina funções para a realização de eleições antecipadas, informou ainda que a PJ pediu igualmente documentos sobre a relação de importação feita em nome da FCF por uma loja de venda de equipamentos na cidade da Praia. Mário Avelino dirigiu a FCF após a destituição, em agosto, da então direção liderada por Vítor Osório, por causa da polémica em torno do campeonato nacional.

    As eleições para o novo presidente do órgão que rege o futebol cabo-verdiano estão marcadas para dia 28 deste mês. Além de Mário Avelino, Mário Semedo, um dos alegados visados na investigação, apresentou também a sua candidatura à presidência da federação.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.