São Vicente: Homicidas à solta

13/10/2017 04:53 - Modificado em 13/10/2017 04:53

A PJ do Mindelo tem um desempenho considerado fraco no que toca a desvendar casos de assassinatos. Não vamos ao histórico do passado para comprovar essa afirmação, quedamo-nos apenas por este ano de 2017. Este ano, a PJ ainda não conseguiu saber quem matou o casal de idosos no Maderalzinho no mês de Março. Passados estes meses do assassinato, a PJ ainda não sabe quem foi o autor ou autores do crime  ou esclarecer o que aconteceu. O que a PJ deixou entender ou pelo menos não disse nada em contrário é que  se estava na presença de roubo seguido de homicídio. Mas uma investigação deste online revelou na altura que não houve arrombamento na casa no Maderalzinho onde um casal de idosos foi encontrado morto no dia 4 de Março. O que abria outras linhas de investigação. O certo é que não se conhece o que a PJ tem feito para esclarecer este caso. O que se sabe é que o ou os assassinos ainda estão à solta.

No mês de Abril, um homem de 28 anos conhecido por Rudy foi baleado à noite ao chegar a sua casa em Chã de Marinha, junto do bloco habitacional “Casa para Todos”. Foi atingido com tiros na cabeça e nas pernas. Foi conduzido ainda com vida para o HBS e, após uma intervenção cirúrgica, entrou em coma e acabou por falecer. Passados seis meses, tudo indica que o NN tinha razão quando escreveu: “A PJ está a fazer as primeiras diligências para tentar saber como se deu o atentado e o que está por detrás do crime. Mas sabe-se que a eficácia da PJ em chegar aos autores dos atentados do género é quase nula. Basta recordar os atentados contra o empresário Irineu Silva que ficou ferido e o outro de Santa Catarina onde uma pessoa foi morta a tiro junto da Universidade Lusófona, isto para não falar dos atentados contra a mãe de uma inspectora da PJ e do filho do ex-Primeiro-ministro”. O facto é que os assassinos estão à solta. Estes e os dos anos anteriores.

Outros casos: ano de 2014

Dos sete assassinatos ocorridos em 2014 em São Vicente três ainda não foram esclarecidos e os autores continuam em liberdade. E os outros quatro foram esclarecidos porque dois são crimes passionais e os autores entregaram-se e confessaram os crimes,  outro foi um homicídio negligente e no último, o autor  foi visto a cometer o crime diante de várias testemunhas. Ou seja, a PJ do Mindelo no tocante à investigação de homicídios é como o zero à esquerda: não vale nada. E a esses casos há que juntar os crimes de Zezinho Catana: a suspeita confirmada por investigação jornalística que poderá ter assassinado três pessoas: Maria Alice, Maria Chandim e Amâncio. Se juntarmos estes três casos, o número de assassinatos por esclarecer sobe para seis e começamos a entender o zero à esquerda atribuído à PJ do Mindelo em matéria de investigação de homicídios. Assim, no Mindelo, os autores de pelo menos três assassinatos, e só focamos o ano de 2014, estão à solta. Recordemos esses casos:

Manuel dos Santos

Quem matou Manuel? Qual o motivo? Estas duas perguntas continuam sem resposta. Familiares e amigos não entendem como aconteceu e muito menos porque aconteceu. Mas afinal quem é Manuel Lima dos Santos? Um homem de 28 anos que foi encontrado sem vida num terreno baldio nas imediações da lixeira de São Vicente, no dia 10 de Fevereiro.

Adubo

No mês de Abril, o corpo de um cidadão nigeriano foi encontrado por volta das 5 h 30 min num beco a cerca de 300 m do cyber-café que pertencia ao mesmo. A vítima estava de barriga para o chão e trazia vestido apenas um calção. O resto da roupa de Chindubo foi encontrado debaixo de uma pedra, a 60 metros do local onde estava o corpo. Chindubo era dono de um cyber-café situado na estrada de acesso à localidade de Chã d´Faneco. A autópsia revelou que morreu por asfixia. Até agora, o autor do crime continua a monte.

Mileida Santos

Ainda no mês de Abril, Mileida Santos, de 21 anos, conhecida por Mileidy, foi assassinada  à facada nas imediações da Escola de Condução Vlademiro Pires, em Chã D´Cemitério, São Vicente. A vítima foi assassinada com dois golpes de faca que lhe atingiram o coração. Os familiares de Mileida asseguram desconhecer os motivos do assassinato mas, perante esta tragédia, clamam por justiça. Quem matou Mileida? Qual o motivo? A PJ até hoje não sabe.

 

  1. PJ . Talvez nao tem muito interesse em trabalhar. Justica de Cabo verde nao faz nada. Principalmente em S. Vicente . PJ alem de nao estar preparado nao tem ferramenta .
    Tenho quatro anos com uma justica tudo pronto em tribunal pagado doze mil escudos e
    o advogado disse o juizo nao tem tempo.

  2. Clara Medina

    Para além das fracas possibilidades técnicas de investigação da Polícia Judiciária falta na cultura cabo-verdiana a mentalidade de colaborar com a Polícia como acontece em outras sociedades mais evoluídas.
    Os vizinhos são um factor muito importante na investigação pois é simplesmente um pequeno detalhe suficiente para esclarecer a verdade sobre o crime.
    Mas os vizinhos em Cabo Verde mesmo tendo uma suspeita e mesmo podendo fazer uma denúncia anonimamente preferem manter o silêncio.
    Também outro incentivo e que o Ministério Público devia criar é premiar financeiramente denúncias que conduzem ao sucesso da investigação.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.