A primeira santa índia foi proclamada pelo Papa

21/10/2012 22:25 - Modificado em 21/10/2012 22:25
| Comentários fechados em A primeira santa índia foi proclamada pelo Papa

O Papa Bento XVI proclamou este domingo como santa Kateri Tekakwitha, a primeira ameríndia a ser canonizada pela Igreja Católica. Numa cerimónia em que canonizou mais seis novos santos, entre os quais uma espanhola defensora dos operários no século XIX, o Papa afirmou que aquela índia norte-americana foi firme “na sua vocação tão particular na sua cultura” e que, nela, “fé e cultura se enriqueceram mutuamente”.

 

Nascida em 1656 no que é hoje Nova Iorque, Kateri Tekakwitha morreu com 24 anos no actual Canadá, em 1680. Filha de pai da tribo Mohawk e de mãe Algonquin, Kateri impressionava os missionários do tempo, conta a Reuters, com a sua devoção e as suas práticas penitenciais.

 

Conhecida como a flor-de-lis dos Mohawks, oprimidos durante muito tempo, Kateri foi o centro, logo desde a sua morte, de uma grande devoção, que culminou com uma cura inexplicada de um menino ameríndio de 12 anos, em 2006. Jake Finkbonner, a criança em questão, esteve hoje na celebração na Praça de São Pedro do Vaticano, em Roma, acompanhado de centenas de pessoas da tribo Lummi e de outros ameríndios.

 

Na cerimónia, conta a agência Ecclesia, o Papa apelou a uma Igreja em constante “estado de serviço” à humanidade e a Deus. Referindo-se aos novos santos, disse que eles deviam ser “um encorajamento e um modelo” e acrescentou: “Com coragem heróica, eles consumiram a sua existência na consagração total a Deus e no serviço generoso aos irmãos. São filhos e filhas da Igreja, que escolheram a vereda do serviço seguindo o Senhor.”

 

A data foi escolhida porque a Igreja Católica celebrava hoje o Dia Mundial das Missões. Entre os novos santos, há dois mártires: Jacques Berthieu (1838-1896), padre jesuíta francês que morreu em Madagáscar, por não querer renunciar à sua fé; e Pedro Calungsod (1654-1672), catequista filipino morto em Guam por um pai que queria proibir o seu filho de ser baptizado. Pretexto para que o Papa lembrasse “os numerosos cristãos que são perseguidos por causa da sua fé nos dias de hoje”.

 

Conta a AFP que estava um belo sol outonal em Roma e que a cerimónia decorreu diante de muitos milhares de pessoas, com bandeiras americanas, canadianas, filipinas, italianas, espanholas, francesas e bávaras. Uma multidão muito internacional, muito alegre e de todas as idades, acrescenta a mesma fonte.

 

Os novos santos incluem ainda o padre italiano Giovanni Battista Piamarta (1841-1913), que ajudou os jovens operários durante a Revolução Industrial italiana do final do século XIX, e a espanhola Maria Carmela Sallés y Barangueras (1848-1911), freira que apoiou também as mulheres operárias da mesma época. O grupo de novos santos inclui ainda a norte-americana Barbara Cope (Madre Marianne de Molokai, 1838-1918), que se dedicou aos leprosos, e a leiga alemã Anna Schäffer (1882-1925). Todos eles, disse o Papa, entenderam “a necessidade de uma presença cultural e social do catolicismo no mundo moderno”.

 

Foi a décima vez que o actual Papa proclamou novos santos. No total, Bento XVI proclamou 44 novos santos, incluindo o português Nuno Álvares Pereira, em Abril de 2009.

 

 

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.