Manuais: Governo e MpD optam pelo braço de ferro com a sociedade

4/10/2017 01:09 - Modificado em 4/10/2017 01:28
| Comentários fechados em Manuais: Governo e MpD optam pelo braço de ferro com a sociedade

A ministra da Educação c, Maritza Rosabal, reafirma a posição do governo de que os manuais escolares com erros não  vão ser retirados, isto apesar da onda de críticas e pedido de retirada dos manuais do mercado. E Maritza Rosabal afirma que “os manuais ficam até o próximo ano”. E justifica que “o número de erros detectados neste manual é muito menor do que o número de erros detectados em outros manuais, com a diferença de este ser um material experimental e com o objetivo de recolher contributos para ser melhorado”.

O executivo tem o apoio do MpD, partido que sustenta o governo. “O facto de os manuais conterem erros e gralhas corrigíveis, não retira o mérito da iniciativa de dotar as crianças com manuais que introduzem novos métodos de ensino e aprendizagem de matemática que é uma disciplina onde o desempenho tem sido uma problemática”, como defende o secretário-geral do MpD.

A ministra justifica a permanência destes manuais com outros manuais produzidos anteriormente. “Temos uma série de manuais que estão em vigor, que foram produzidos anteriormente, que tem imensos erros e que estamos a tratar institucionalmente. Fizemos erratas. Todos os manuais que estavam em vigor tinham graves problemas de conteúdo, de tratamento, de gralhas ortográficas. A equipa assumiu os erros e está a trabalhar com isso”.

A oposição  defende uma outra posição com a UCID a pedir a retirada dos manuais do mercado e demissão   da diretora nacional de educação do cargo. E uma petição pública pedindo a retirada dos livros já circula na internet. “a educação não traz somente bons empregos”, lê-se na descrição da petição, “ela proporciona o pensamento crítico e a análise lógica – fatores indispensáveis para a criticidade de um indivíduo. Afinal, o fato de um povo ignorante ser mais influenciável do que uma população mais culta não é uma coincidência. Em suma, a educação transforma um país, tanto em aspectos económicos, quanto tecno-culturais”.

E com esse preceito a petição instiga a população “fazer valer os seus direitos quer seja exigindo melhores níveis de preparo dos docentes, melhores metodologias, melhores meios educacionais ou, quer seja cobrando uma melhor infraestrutura”.

E, “tendo recebido de Pais e Professores várias queixas, vimos por este meio solicitar ao Ministério da Educação que avalie a situação criada e mande retirar os Manuais em circulação para o bem da Comunidade Educativa em Cabo Verde”.

E assim vai o braço de ferro entre o governo que defende a continuidade dos manuais, e a oposição, apoiada pela pelas críticas que os manuais tem tido, e o pedido de retirada.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.