Festival Baía das Gatas: Um segundo dia com muito para contar e lembrar

13/08/2017 14:29 - Modificado em 13/08/2017 15:50

Música, euforia, fogos-de-artifício, brilho e  cor foram as marcas do segundo dia do festival da Baía das Gatas. O sábado tem sido habitual o dia de maior afluência, e o cartaz do sábado fez por isso. Uma entrada eufórica com atuações dos Dj FatBoy e Dj Kevy que animaram o público. com um arranque dentro do horário, a noite prolongou até um intervalo para descanso, antes do terceiro dia, quando depois das 5:30h com a atuação do Alborise. Uma noite contada por capítulo, com histórias de um público que tentou e esteve à altura do espetáculo. Com uma presença constante, com uma plateia mais do que bem composta, porque enquanto uns regressavam outros chegavam, enquanto algumas pessoas descansavam outros aproveitavam,

Dj FatBoy e Dj Kevy: O aquecimento

Antes de qualquer momento importante é bom aquecer e ver se tudo está preparado. E os Dj FatBoy e Dj Kevy tiveram a responsabilidade de fazer o primeiro check para uma noite histórica noite. Publico, animação, espontaneidade, dança, tudo preparado. Dj FatBoy e Dj Kevy aqueceram ou público que entrou no modo: aproveitar o festival.

Anselmo Ralph: “Já sou da casa”

Um dos grandes nomes da música africana e mundial marcou sua presença pela segunda vez no palco principal da Baía das Gatas. Depois de dois mil e quatro, Anselmo já se sente em casa. O próprio afirmou para público que o recebeu da mesma forma como que aconteceu da primeira vez. Com gritos a entrada, vibração durante a atuação, cantando as músicas do cantor. Musicas do novo álbum que tem promovido com refrescar da memória com temas antigos.

Anselmo foi a continuação de uma grande noite. O cantor toca muito por estes lados e o público fez questão demostrar.

E o público tinha uma grande vista do palco. A iluminação é elogiada, enquanto o NN percorre a areia para sentir a atuação deste lado do palco. E Anselmo granjeia fans pelas músicas, e pelo carisma como cantor, como ia percebendo pela forma como o público ia apertando os braços no peito com atenção no cantor enquanto cantava sobre amor, desilusões, admirações e história de amor que muitos podem estar familiarizados, sendo amor uma linguagem universal.

Uma atuação elogiada e aplaudida, que suou há pouco. Anselmo Ralph é especial, e o cantor de muitos pelos olhares de admiração e conhecimento das letras e do ritmo do cantor.

Dudú Nobre: Quem gostou, faz barulho aí!  

Do ritmo mais suave de Anselmo para um pular, saltar, gritar, sambar do público. A semana foi de carnaval com o desfile fora de época, e o segundo dia do festival foi contagiado. E “São Vicente é um brasilim”, e o brasileiro e sua companhia teve a prova disso. Uma atuação de cor, samba, carnaval, numa simbiose entre dois países, Brasil Cabo Verde, que partilham o gosto e amor por esta forma de festejar.

E o público levantou o areal do da baía. O artista trouxe temas típicos do carnaval brasileiro, e que o público já estava familiarizado, e por isso não foi difícil acompanhar Dudu Nobre. E quando dizia “quem gostou faz barulho aí” não o público fazia em demostração de satisfação, se não fosse o carnaval que está no ADN do mindelense.

Dudu não esteve só, foi acompanhado por nomes do Carnaval Mindelense. Constantino Cardoso, Anísio, Gai fizeram sua parte em animar um público sedento que a cada samba, como se ganhasse mais forças. E cada pincelada de músicas do carnaval local, o êxtase do público era evidente. A felicidade era patente nos olhos das pessoas, que a cada paragem era de recuperar o folego, e depois mais. E o público gostou da mistura, as sambistas no palco também tiveram sua parte no espetáculo, que cada movimento era acompanhado por olhares, de diferente interpretação, diferenciado as vezes a questão do género.

Djodje: “Fazem barulho”

Djodje tem sido um nome serio nas edições dos festivais. “Djodje já a cantar” foi a mensagem passada para as menos atentas que ansiavam ver o artista. E o intervalo entre a atuação anterior na hora da subida do artista no palco, uma caminhar rápido, em estilo corrida, para ocupar os lugares da frente. Houve quem teve sucesso outros não, mas a euforia não era medida pela proximidade com o cantor. Todos cantaram e vibraram ao ritmos mais suaves e românticas, com ritmos quentes de verão, se não estivéssemos em pleno Agosto.

O espetáculo de Djodje teve um incremento especial com fogos-de-artifício na altura da sua entrada, explosões de “foguetes” para o público com cores a voar e colorir o público. Uma das marcas do seu espetáculo, a outra, a básica e importante, as musicas, que já são do conhecimento publico, pelas sucessivas músicas, de sucesso, que tem disponibilizado o público.

Uma vibração do público ao ritmo do cantor, quando dava era suave era suave, mais mexido era mais mexido, mas quando pedida para saltar o resultado era o mesmo, saltar e saltar. Um artista estimado pelo público, e que o público tem dado o seu carinho. Um espetáculo elogiado, que também como os outros na hora do fim, soa sempre há pouco. E o público deveria pedir parte do caché do artista porque participou no espetáculo e muito, quando Djodje apontava o microfone e o público entrava no show cantando sua parte dos versos.

Alboroise: Sing with me

O festival na hora dos grupos de regue tem outras regras. O público permanece o mesmo, com adições no comportamento do público. As bandeiras ganham vida uma vida diferente. Isto apesar de também um aroma diferente no ar, talvez pelo tipo de cigarro acendido. E o regue uma cultura com suas regras que membros seguem. Um dançar especifico, próprio do regue, com o público, a demostrar mais uma vez, os seus passos de dança. E ainda que o segmento do regue no festival tem sido das mais marcantes, com grandes nomes a serem trazido para o festival.

Alboroise foi mais uma página marcante no festival, um dos requisitados da noite, pela tradição que este segmento tem, e como as anteriores atuações, o público não cansou. Músicas do cantor, pinceladas com composições de Bob Marley, que foi a cereja no topo atuação.

E foi o fecho de uma noite que as conversas sobre as atuações que não paravam. Entre Djs, Anselmo Ralph, Dudú Nobre, passando por Djodje e finalizando em Alborise, cada um teve seus momentos marcantes para discussões futuras, mas que fica não houve o melhor que todos foram bons e que a aprovação das pessoas, satisfação para uma noite histórica.

HD

 

 

 

  1. Francisco Andrade

    Precisamos de colocar artistas nacionais para o fecho do Fetpstival da Baía das Gatas.
    Djodji seria o artista ideal para fechar o 2 dia.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.