Quem está a mentir : Victor Osório ou os presidentes dos clubes

8/08/2017 01:32 - Modificado em 8/08/2017 01:59

A polémica está lançada há muito e, agora, ganhou novos contornos, isto porque a direcção do órgão máximo do futebol nacional optou por impor a marcação dos jogos da meia-final entre o Mindelense e o Ultramarina. Por um lado, o Mindelense defende a sua posição afirmando que o clube só jogará se for a final porque não tem condições de prolongar a época futebolística. Por outro lado, o Ultramarina está disponível para jogar apenas a primeira mão das meias-finais, curiosamente, em São Nicolau. E o Sporting da Praia exige que os jogos sejam agendados porque quer terminar o campeonato.

Apesar das posições das duas equipas, a FCF vai calendarizar a data dos jogos. Em entrevista à RCV, Vítor Osório, Presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol, garante que vai agir em conformidade com os regulamentos da Federação e é taxativo ao afirmar que os jogos se irão realizar.

Embora os representantes dos clubes afirmem que na reunião não houve consenso, Osório tem uma leitura diferente do encontro de sábado passado. Assegura que a única coisa que ficou em aberto, foi a impossibilidade de avançar com as datas, mas pretende que a primeira mão seja realizada já este fim-de-semana, altura do Festival da Baía das Gatas, faltando apenas confirmar os planos de voos e disponibilidades para assegurar que os jogos das meias-finais sejam realizados. Assegura que em qualquer momento a Federação irá avançar com um comunicado com as datas e os horários dos jogos.

Por seu lado, o Mindelense diz que a Federação deveria se responsabilizada por esta situação e não tentar forçar nenhuma decisão e afirma que o clube mantém a sua posição e está tranquilo no tocante a ameaças e punições caso não aceite as decisões da FCF. “Quem tem carácter deverá assumir as suas responsabilidades”.

“Não há condições para que o jogo aconteça este fim-de-semana. Temos o Festival da Baía das Gatas e a FCF terá de encontrar outra solução. Não passe pela cabeça das pessoas saírem de São Vicente neste momento. O Mindelense foi uma vítima em todo este processo e cabe-nos posicionar-nos em conformidade e dizer que não há condições para prolongar a época”.

O Ultramarina diz que está preparado para receber o Mindelense em casa para o jogo em falta e nada mais. “Cada um defende os seus interesses. Estamos disponíveis para terminar o campeonato”, mas apenas nestes termos: jogar apenas o jogo em falta.

Quem é que tem a sua posição bem definida é o Sporting da Praia que durante toda esta confusão está à espera da sua resolução e não aguentando mais, exige que os jogos sejam marcados de uma vez por todas para poder conhecer o outro finalista e disputar a final do campeonato

Esta é uma situação um tanto ou quanto embaraçante para o futebol nacional que foi causada, segundo os principais intervenientes no processo, pela própria Federação e que prejudica a imagem do futebol nacional e condiciona futuras provas. Mas é unânime que esta direcção se demita, pois, conforme deixam saber, não há condições para que esta direcção se mantenha no activo.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.