UCID com reservas sobre as privatizações anunciadas pelo governo

7/08/2017 16:45 - Modificado em 7/08/2017 16:45
| Comentários fechados em UCID com reservas sobre as privatizações anunciadas pelo governo

A UCID posiciona-se contra a forma como o governo tem promovido a privatização de empresas públicas, como a Electra, A Enapor, ASA, NOSi, Emprofac.

“A forma como foi feita é pouco clara. Entendemos que o simples facto de fazer a publicação numa data que normalmente os partidos estarão de férias mostra que não houve vontade de discussão com os partidos para que houvesse um posicionamento”, como afirma o presidente da UCID, António Monteiro.

Para a UCID o governo alega, na publicação no BO sobre as privatizações, que são instrumentos que o estado utiliza para introduzir novas dinâmicas através da criação de novas oportunidades de negócio alevantando os sectores chaves, reduzindo o risco fiscal e orçamenta que estas empresas públicas representam. E questiona a pressa em privatizar algumas empresas nacionais, e me vez de outras que considera “privatizáveis” como a IFH, sociedade de gestão do Lazareto, Enacol, Atlantic Tuna entre outas.

“Do ponto de vista da UCID não deve ter pressa em privatizar empresas estratégicas do ponto de vista económico seriam importantes a manter-se”, segundo Monteiro em vez de perder ativos importantes e áreas estratégicas para a o país. E acrescenta a dificuldade da população ao acesso aos serviços importantes e que uma privatização poderia justificar o encarecimento destes ativos-.

“UCID de uma forma geral é favorável a privatização de empresas que não produzem serviços e bens públicos. Não precisamos de empresas públicos que oferecem serviços financeiros ou distribuição de combustíveis. (…) Entendemos que há empresas que devem ser privatizadas não se pode privatizar da forma como o governo quer faze-lo. Os interesses dos cabo-verdianos devem ser salvaguardados. O governo não socializou esta matéria”.

Para Monteiro o país tem experiências negativas na área da privatização. “Esperamos que o governo colocasse ao debate a questão acima de tudo a empresa que rendem capital ao país como a ASA”. E a UCID refuta a ideia de que as privatizações devem ser feitas para resolver problemas fiscais. Isto, como sustenta a privatização pode resolver os problemas fiscais num curto espaço de tempo, levantando a questão do que pode acontecer a medio longo prazo.

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.