Carnaval de Verão 2017: uma celebração entre Cabo Verde e Brasil

4/08/2017 03:15 - Modificado em 4/08/2017 03:15

O Comentarista da TV Globo, Milton Cunha, um dos integrantes da caravana de Dudu Nobre sobre o Workshop do Carnaval de Verão, garante que o desfile do dia 08 de Agosto é uma celebração entre Cabo Verde e Brasil.

Conhecido pelo estilo extravagante de comentar o Carnaval Carioca, Milton Cunha, durante este Workshop, irá ministrar dois cursos aos inscritos, um sobre a história e cultura do Carnaval a contar os cem anos do samba, um curso sobre como o Carnaval do Brasil se transformou “no produto económico, turístico, de cultura que atrai o mundo inteiro para nos assistir” e o segundo curso está direccionado para os directores de harmonia e directores do carnaval. “Aqueles que não se fantasiam, que trabalham para organizar e fazer fluir, o Carnaval”.

“Fazendo Cabo Verde ouvir a experiência brasileira, ver o que une e o que separa as duas manifestações. O que no Rio de Janeiro aconteceu ao longo destes cem anos, ‘isso’, e virou este espectáculo e como está actualmente na história de Cabo Verde”. Na verdade, os cursos consistem num estudo de caso sobre o Carnaval Brasileiro, o que pode pegar e o que não combina com as ilhas. Conhecer uma outra experiência.

“Os organizadores daqui escutando a experiência, como se faz, como se atrai o turista, pensar e decidir o que dá para introduzir no Carnaval Mindelense”.

São doze professores, cada um dará aulas teóricas e práticas. Além destes estarão também presentes artistas para desfilarem e músicos para tocarem com o cantor. Ao todo, serão 40 pessoas para abrilhantarem, ainda mais, o Carnaval de Verão 2017, explica o director artístico.

No dia 08 de Agosto, a ideia, conforme avança Cunha, é fazer um encontro entre os dois países, sem separação, uma celebração em conjunto.

Por isso, a ordem do desfile que já está pronta, irá levar para as ruas da cidade centenas de pessoas. A comissão da frente, segundo alinhamento é formada pelos alunos do Workshop orientado por Patrick Carvalho, coreógrafo brasileiro, depois a ala de mestres salas e porta-bandeiras treinados por Lucinha Nobre e Marlon, o casal de porta-bandeira e Mestre Sala da Portela, seguidos de duas alas de São Vicente, a ala de Rainhas de Bateria, coordenadas por Raissa de Oliveira, com 15 anos como rainha de bateria da Beija-Flor de Nilópolis, e pela ala de bateria encabeçada pelo mestre “Casagrande” da Unidos da Tijuca e ritmistas locais. Segue, depois, o carro de som com Dudu Nobre juntamente com alguns músicos locais, interpretando um samba brasileiro e, atrás dele, uma ala de passistas mistos, coordenados pela brasileira Carla Moreno, seguidos pelas famosas baianas do Carnaval do Mindelo e, por último, uma ala mirins de mestre-sala e porta-bandeiras.

Um desfile que nas palavras de Milton Cunha, será uma explosão, onde cada um irá trazer os trajes usados no Carnaval oficial. O mesmo irá acontecer com os brasileiros.

  1. Badiu

    Pediram permissao da Capital…em todo caso vamos trazer os bisnetos de Gongonhadas para animar Plateau.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.