Familiares da professora morta à facada pelo companheiro exigem  justiça

7/07/2017 02:39 - Modificado em 7/07/2017 02:39

Inconformados com a inesperada morte da jovem professora Amândia Monteiro na tarde da passada terça-feira, 04, na zona de Vila Nova, os familiares apelam por justiça e que venham a ser descobertos os meandros do crime.

Os familiares de Amândia Monteiro desconhecem ainda os motivos que levaram Ailton, seu companheiro, a desferir várias facadas provocando a morte da professora. A vítima residia em Ponta Belém, Praia, e ter-se-ia deslocado à zona de Vila Nova para ir buscar o filho que se encontrava em casa da avó paterna.

Ailton, também docente, terá trancado a porta do quarto com a ajuda de um guarda-fato onde consumou o acto. O desentendimento que terminou em tragédia ocorreu na presença do filho de um ano.

Amândia Monteiro era professora em Santa Cruz e foi brutamente assassinada. Segundo informações não confirmadas, o agressor tentou suicidar-se com a arma branca tendo o mesmo sofrido ferimentos. Encontra-se internado no hospital e, de acordo com informações recolhidas, não corre perigo de vida.

Inconformados com a perda, os familiares da malograda exigem uma explicação daquilo que aconteceu e apelam para que justiça seja feita. “Estamos todos surpresos e não sabemos o que dizer”, desabafa um dos familiares ainda muito abalado.

  1. Cândida Leite

    Justiça !!!
    Depois da tragédia (morte de uma jovem mãe) e um simulacro de suicidio, pedimos que a justiça não seja clemente para com o assassino de um menino que fica marcado pela vida inteira.
    A tendência em ser clemente nos castigos, convite a vinganças pesoais, tem causado danos irreversiveis
    A quando a justiça justa acima de tudo?

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.