Manuel Inocêncio: “serviços desconcentrados do Estado que continuam com excessiva dependência  da Praia”

7/07/2017 02:21 - Modificado em 7/07/2017 02:21

Os deputados do PAICV encontram-se de visita à ilha de São Vicente a preparar o debate do estado da Nação, marcado para a próxima sessão da Assembleia Nacional. Esta visita também vem na ressaca da manifestação do dia 5 Julho que juntou milhares de mindelenses a protestar nas ruas.

Num primeiro balanço feito à imprensa, Manuel Inocêncio, deputado do PAICV, sublinha que a ilha se encontra parada, “em standby”, tanto do ponto de vista social, económico como a nível da administração. E chama a atenção para a questão dos serviços desconcentrados do Estado que “continuam com excessiva dependência da cidade da Praia. Neste aspecto, expressa que é imperativo que se avance com uma desconcentração efectiva dos serviços do Estado no sentido de resolver os problemas, levantando a questão dos problemas da rede informativa ou falta de sistema, como é comummente conhecido nos serviços.

Ainda o tema na ordem do dia foi a manifestação da população de São Vicente, atitude que Manuel Inocêncio espera que outras ilhas possam seguir. Colocando tónica e refutando o discurso do Governo de que muitas das críticas dos mindelenses dizem respeito ao governo anterior, o deputado avança: “E não vale a pena o Governo vir-nos dizer que o problema não é com eles mas sim com a governação anterior. Este discurso não serve, pois quem governa deve assumir as suas responsabilidades e a população de São Vicente ontem falou para quem governa”.

O deputado pede mais atenção por parte do Governo para com a ilha de São Vicente, esperando num melhor tratamento no que diz respeito à elaboração do Orçamento de Estado para 2018. “Queremos que São Vicente seja devidamente tratada. Não queremos que no Orçamento de 2018 São Vicente ocupe a posição que ocupou em 2017. Vamo-nos bater para que a ilha seja devidamente contemplada”, expressou.

O PAICV em São Vicente afirma que para além de avançar com o processo de reforma do Estado, na qual espera que esteja incluída a regionalização, é necessário arrancar rapidamente com a reformatação do Estado, o que considera que deve ser feito rapidamente com desconcentração dos poderes no sentido de dar mais autonomia financeira e de decisão à ilha para que esta possa cumprir o seu papel.

Para os deputados do PAICV não há nada de novo anunciado pelo Primeiro-ministro aquando da sua visita a São Vicente. Um das propostas do Governo foi a Zona Especial Marítima que o PAICV diz que já foi anunciada antes pelo governo anterior, com a criação do cluster do mar.

  1. Este senhor é um dos responsáveis pelo abandono durante 15 anos da Ilha de S.Vicente, agora vem sacudir a água do capote toda a gente o conhece e sabe qual foi a sua função no anterior governo.

  2. Cândida Leite

    Gente de S.Vicente, Gente das outras ilhas, a MANIFESTACÃO é de todos NÔS. – Ouçam: – Deputado deve ser pessoa excelsa com uma posição optimal na sociedade que o elege para representante. Depois, haverá o mais sério problema que é dialogar com qum sofre para discutir os desideratos populares que nem sempre podem caber no caderno de encargos, devendo – distintamente – justificar e encontrar alternativa. Isso o Inocêncio nunca fez. Aliás, nunca foi escolhido pelo povo mas pelo seu partido que o guarda na capital como um papagaio que repete a voz do seu dono que o escolheu. Portanto é uma carta fora do baralho que – desastradamente, – quer, em nome do partido, aproveitar-se da manifestação tõ expontânea. O homem é um cínico. Virem-lhe as costas. Não vale a pena perder tempo e paciência.
    Na situação nada apresentava e nada defendia, na oposição discorda para tentar ganhar galões. Quer de um lado quer de outro a sua quota de simpatia reduziu-se à infima espécie o que faz que a sua presença com as palavras repetidas são como disco raiado.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.