A janela partida de Ulisses em São Vicente

6/07/2017 01:28 - Modificado em 6/07/2017 01:28

Comentário

Uma janela com um vidro partido pode indicar uma casa abandonada, um dono descuidado, Essa janela com o vidro partido é um convite para atirar com uma pedra à janela do lado. E já são duas janelas com os vidros partidos. Duas janelas partidas não podem ser  um acaso, pensa a terceira pessoa que atira uma pedra para outra janela. Três janelas quebradas são um convite a fazer uma pichagem. Uma pichagem leva a forçar a porta. Uma porta aberta leva a que se levem os móveis da casa e assim sucessivamente

Na democracia passa-se o mesmo. Deixas que alguém viole as regras e essas regras deixam de ser válidas para o seguinte. Deixas que alguém minta sem que tenha consequências e ele fará da mentira uma estratégia. A Democracia é uma grande ideia, mas há que defende-la todos os dias: cada janela partida na sua fachada é um convite a uma nova pedrada.

E nesta situação que o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva se encontra em relação a São Vicente. E ontem milhares de mindelenses saíram á rua e ocuparam a casa que já tinha as janelas partidas, a porta arrombada e moveis destruídos. E agora?

Durante a campanha eleitoral Ulisses e a sua equipa denunciaram o estado em que São Vicente se encontrava: igual a uma casa com janelas partidas, a porta arrombada e móveis destruídos .Abandonada.

Durante os 14 meses de governação assistiu-se a um novo atirar de pedras e quebra de janelas contra a ilha de São Vicente. E Ulisses e o seu governo nada fizeram. Ignoram, Não agiram. E o pior foi ter lançado a primeira pedra da construção do Campus Universitário da UNICV ignorando que seria mais uma pedrada contra São Vicente. E pior: sem uma estratégia de comunicação. Fê-lo pensando que a culpa era do outro e que nada se passaria. Quando se apercebeu que ele próprio tinha atirado mais uma pedra a casa abandonada veio a correr para São Vicente com um pacote de realizações. A emenda foi pior que o soneto. Ulisses não agiu, reagiu. E milhares de mindelenses disseram basta!

Ulisses defende-se dizendo que não se pode pedir que em catorze meses o governo resolva todos os problemas de São Vicente. Ninguém lhe pediu isso a não a ser a Presidente do PAICV. O que se lhe pedia era que explicasse por que não estava a fazer o que prometeu no programa eleitoral para São Vicente. Ninguém, de bom senso, lhe pediu que anulasse a construção do Campus Universitário da UNICV na Praia, já decido pelo anterior governo. Apenas aqueles que insistem em ser o cavalo onde a loucura se manifesta.

Mas que explicasse como se enquadra essa centralização da UNICV numa única ilha no programa de quem defendeu a descentralização e a regionalização como a menina dos olhos. Defendeu tão bem que absorveu o programa dos defensores da Regionalização e as tréguas para implementar o que prometeu.

Mas a forma como Ulisses conduziu a questão da centralização da UNICV na cidade da Praia dividiu São Vicente e Praia. Mesmo aqueles que defendem as suas posições já lhe disseram que o processo foi mal conduzido. Mas, como iluminados seguem em frente, como se tudo e todos estivessem de acordo com o que conceberam e na qualidade de seres superiores ninguém pode discordar deles, melhor: acham que ninguém discorda deles. Mas não é verdade. E ontem milhares de mindelenses deram a resposta. Não são apenas os “ escribas bairristas de sempre” e “ meninos desocupados das redes sociais a mostrar que “. A Democracia é uma grande ideia, mas há que defende-la todos os dias: cada janela partida na sua fachada é um convite a uma nova pedrada.”

Milhares defenderam a democracia na Ilha de São Vicente. Deixaram claro que não permitirão pedradas sem que aja acção.

 

Eduíno Santos

 

 

  1. Antes de Ulisses entrar a casa já estava abandonada, agora esperemos os resultados dos projectos lançados para S,Vicente pelo 1º Ministro para ver, porque quando o ex 1º Ministro José Maria Neves lançou projectos em S.Vicente anos atráz e que foram esquecidos o povo estava num sono profundo ou medo de sair às ruas, sabendo que de trás destas manifestações há sempre gatos.

  2. Hélder Reis

    Por artigos como este artigo que ainda acredito que existe jornalistas e jornalismo sério em Cabo Verde. Muito bem dito e muito bem escrito. Os meus parabéns! É verdade que o povo acordou e creio que mais uma pedrada será a gota de água! Que venham mais iniciativas destas e, sobretudo, que tenham mais envolvencias nas outras ilhas, para que todos nós lutemos para uma democracia cada vez melhor e para um país cada vez mais realizado e justo, com condições para todos. A política é apenas um meio para lá chegar. Sendo ela justa, chegaremos lá de certeza!

  3. Manuel Joaquim Lopes

    Bairrista é a cultura/mentalidade de muitos crioulos. Desde “os antigamentes”, se manifestares algum descontentamento ou opinião contraria e porque és contra ou do contra. Como Salense podes reivindicar mundos e fundos. Ja nao podemos continuar amarrados a era dos “NEO-” e a epoca das bruxas. Todo o mundo sabe quem desenvolveu a teoria de que: S.Vicente é uma Ilha abandonada; o Governo ao longo dos 15 anos nada fez para desencalhar o Monte Cara; Ao nivel dos investimentos S.Vicente tem sido preterido; S.Vicente tem a maior taxa de desemprego, etc, etc. Nos nao podemos aceitar que, basta mudar de CASACO, alguem venha cantar aos nossos ouvidos de que: Cabo Verde, nao é so S.Vicente, e… Onde estao as soluçoes apregoadas aos ouvidos dos Mindelenses? BASTA de falar de Bairrista/Bairrismo. Liberta a tua mente tacanha, camarada!

  4. romeu modesto

    em materia de bairrismo o Eduino Santos é o discípulo e o mensageiro preferido de Onesimo Silveira . Ele é o criador da imprensa regional no pós-independência. O Noticias fundado em 1986 é o primeiro jornal regional que assume a defesa de Saõ Vicente em detrimento de Cabo Verde a ele se junta Onesimo Silveira na defesa de um São Vicente que ja não existe e na procura de um protogonismo que Mindelo já nao pode ter . Em 2010 na era digital outro acto bairrista cria o Noticias do Norte , com o apoio dos saudoistas de um vez Soncente era sabe e o Eduino chegou a escrever ” não peçam para o mue jornal ser imparcial num jogo entre o Mindelense e Sporting da Praia : é claro que tomamos partido pelo Mindelense . Por isso não aprecio o seu trabalho nessa “defesa cega ” de um Mindelo centro do Mundo. Mas este artigo revela uma maturidade e uma lucidez que o PM deve levar em conta e centra a critica nas promessas feitas , no programa defendido por Ulisses e convida para esse debate e não para o debate esteril , que ele muitas vezes promoveu , de Mindelo quer substituir a Praia . A analise é simples e profunda neste frase que usa ” A Democracia é uma grande ideia, mas há que defende-la todos os dias: cada janela partida na sua fachada é um convite a uma nova pedrada.”E Aqui ha muitas pedradas atiradas quer em Mindelo quer na Praia porque a democracia foi aplicada no interesse de determinados grupos .

  5. Cândida Leite

    1. – O comentarista Marc Antonio foi infeliz. A manifestação foi para todas as ilhas que sofrem a discriminação, mesmo se sairam em S.Vicente.
    Que as outras ilhas, nomeadamente, as que apoiam sempre Santiago contra S.Vicente se levantem também. Que eu saiba não houve grandes reacções de acordo.

    2. – O Romeu de modéstia nada tem. Mais parece uma fera atingida querendo morder à roda.

    Senhores,
    A critica é admitoda mas como estão fazendo não està bem.

  6. Antonio Goncalves

    o senhor Romeu Modesto e ser barrista porque os Mindelenses defendem a sua ilha? que querias que defendessem Santiago ou uma outra ilha? eu sou barrista porque defendo a minha ilha com unhas e dentes, quem em Cabo Verde que nao e bairrista, o problema e que S.Vicente nao tem amigos,nao tenho nada contra Santiago ou Praia o problema sao os sucssecivos governos que intencionalmente e abusivamente vem deteriorando agastando as outras ilhas no abandono a sua sorte no invez de criticarem os Mindelenses as outras ilhas inclusive Santiago deveriam fazer o mesmo, porque ouvindo as palavras de um Santiaguense na manisfestacao que em Santa Catarina eles sofrem o mesmo abandono que os Mindelenses. Ser barrista implica que defendes o teu bairro nao da forma em veem usando, Porque em Cabo Verde usam essa palavra como uma forma de calar as pessoas, ser bairrista e sempre bom mas nao no sentido discriminatorio,Santo Antao ha Brava sao todos Cabo Verde. Caboverdeano de gema nascido em Mindelo CV

  7. Stefan Gomes

    Agora tb aproveitamos para falar da segurança de São vicente que está péssimo, porque não levar estes malandros dos chefes da polícia de São Vicente para praia, estamos sentindo inseguros, cadê as camaras de vigilancia, agora roubo é todo dia, enquanto quando ele está aqui com os seus minsitros há policia e sirene para todos os lados, polícia so querem ganhar de graça, é hora de tomar atitude sr. Ulisses e paulo rocha

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.