Construção do campus universitário: “É um facto consumado”

29/06/2017 14:00 - Modificado em 29/06/2017 14:38

O primeiro-ministro iniciou esta quinta-feira uma visita de dois dias à São Vicente. O primeiro-ministro junto com a delegação que o acompanha foram recebidas no Paços do Conselho. E, Ulisses Correia e Silva não fugiu ao tema da construção do campus universitário na cidade da Praia e manifestação convocada por um grupo de cidadãos de São Vicente marcada para o dia 5 de Julho.

E como iniciou queria “clarificar e esclarecer algumas coisas que estão na ordem do dia”, fazendo menção aos tópicos citados.

Muito sem tem falado, em São Vicente, sobre a construção do campus universitário na cidade da Praia, e Ulisses Correia e Silva afirma que “é um facto consumado”. Como afirma o processo iniciou-se em Novembro de 2014, quando o país expressou a República Popular da China o desejo de construir um campus universitário. Avança que em 18 de Janeiro de 2016 assinou o acordou onde “onde expressamente tinha sido estipulado” a construção do campus na zona Kapa, em Palmarejo.

“A decisão foi definitiva, e este governo não tinha e não tem condições para alterar um acordo em nome do Estado de Cabo Verde”. E como esclarece com a assinatura do acordo continha as condições de contrato dos empreiteiros, e os aspetos étnicos na perspetiva de um local já escolhido previamente. “Facto consumado”, afirmando que não poderia mudar um acordo já firmando. E para Correia e Silva se fosse uma opçaão do atual governo, poderia ter outrá sugestão do local para a construção.

Para Ulisses Correia e Silva é legítimo as pessoas manifestarem e demostrarem sua indignação mas que deixam de fora o governo neste assunto. “Não estivemos nem na base da decisão nem da escolha”, como argumenta.

“As pessoas são livres para manifestarem sobre o que bem entenderem”, como finaliza Ulisses Correia e Silva.

 

 

  1. Fernando Assis

    Agora para cada obra que se faça na Praia vai haver uma manifestação em São Vicente? Isto é complicado! Depois tudo o foi feito na Praia, não devia ser feito na Praia, mas sim em São Vicente. E como é que ficam as outras ilhas deste arquipélago? Talvez façamos uma revolta cá em São Nicolau também, mas nós não vamos fazê-lo porque não cultivamos o bairrismo desenfreado.

  2. JORGE fortes

    Facto consumado será a manifestação para o dia 5 de Julho.

  3. Jose Carlos

    Pois é Sr Ministro,
    Sou Sao Vicentino e vejo que neste ponto tem razão.
    Mas gostaria de saber porque o impedimento de realizar o investimento Perola Negra em SV? e a tentativa de passa-la para a Praia?
    Porque colocar SV, segunda ilha em população (argumento muito usado pelas pessoas da capital) e 2da ilha que contribui para o PIB NACIONAL, e segunda pelo PIB per-capita (só atrás da ilha do Sal) como em 6to lugar no Orçamento de Estado neste ano????
    Porque não saem dos papeis a famosa Terminal de Cruzeiros, a estrada BAIA-CIDADE, CALHAU-CIDADE, SEGUNDA VIA DO AEROPORTO , que nas autarquicas foi la à SV prometer com o Augusto Neves????
    Porque agora o Cais de aguas profundas, querem construir na Praia quando era um investimento para SV???
    Porque o aeroporto de SV ainda não recebe voos as 24 horas fazendo que muitas airlines não viajem a SV porque o horário não lhes é conveniente???
    Porque ainda não colocaram o sistema de aproximação dos voos via satelital no Aeroporto?
    Porque todos os aeroportos internacionais do Pais receberam grandes investimentos, menos o de SV????

    PORQUE O ODIO QUE TEM ALGUNS POLITICOS POR ESSA ILHA É ENORME, FALA-SE DE JMN, FILOMENA MARTINS, INOCENCIO, JHA COM OS SEUS TIOS E FAMILIARES, ETC ETC~

    ,,
    Sr Ulisses, o povo de SV atirou o PAICV no 3ero lugar na ilha, fazendo a vossa victoria mais saborosa, o povo confiou que aquele homem que mudou a Praia, IA MUDAR CABO VERDE, TODO O PAIS, AINDA CONFIAMOS NAS TUAS PROMESSAS

  4. Eduardo Oliveira

    Facto consumado ou um roubo descarado ?
    A Comunicação Social, que procede como se sob o jugo do Governo, não tem a coragem de tratar o caso como deve ser. Nenhum jornalista com o titulo ousa escrever a realidade dos factos. Os que não são “vendidos” nada têm entre as pernas e não merece o respeito que a profissão merece.

  5. Atento

    Que desculpa mas sem nexo. Governo muito fracote.

  6. salense

    Sr Primeiro Ministro: transfira a Escola de Hotelaria para a Ilha do Sal (saqueda) e tranforme o edificio em Santiago num Centro de Reabilitacao de De-Puta-dos corruptos desleais a quem os elegeu prostituindo com Plateau e Partidos a custa dos contribuites das 8 (oito) Ilhas. Seria reconsilhar os factos. BASTA!!! Nao e’ o santiaguense em causa mas os 72 Gangaceiros que as mulheres de “profissao” ja ate manisfestaram o desagrado de se lhes alcunhar de seus filhos. Sabemos todos quem sao, mas em Cabo Verde a justica nao passa de novella. BASTA!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.