“Clin Fora”, uma iniciativa que visa resgatar a essência dos jogos tradicionais

14/06/2017 02:14 - Modificado em 14/06/2017 02:14

Será lançado, esta 5ª feira, o projecto “Clin Fora”, uma iniciativa que visa ensinar aos alunos das escolas do Ensino Básico de São Vicente a jogar os jogos tradicionais como “matas”, “corrê orc”, “ringue”, “malha” e “corrida-pau”.

No mundo actual, tão corrido e superficial, a procura de brincadeiras passa a ser na televisão, no videojogo, no computador, em jogos e brinquedos industrializados que são uma forma de premiar ou distrair os filhos e, nisso, os jogos tradicionais acabam por ficar de fora.

Entende-se que as brincadeiras tradicionais podem suscitar características e aspectos relevantes no desenvolvimento infantil, um dos principais objectivos deste projecto.

Os jogos de computadores e brinquedos electrónicos passaram a ser mais constantes na vida das crianças o que torna o brincar mais individualizado e é neste contexto que surge o “Clin Fora”, na tentativa de contrariar este fenómeno.

A Escola Padre Cristiano em Chã de Alecrim será o palco do lançamento deste projecto, por parte da Moave – Moagem de Cabo Verde.

Os jogos tradicionais têm vindo a ser postos de lado no nosso país, tendo em conta a enorme influência exercida sobre as crianças pela Internet e pelos jogos electrónicos.

De acordo com a rede social da empresa, esta iniciativa surge no intuito de resgatar “as autênticas escolas desportivas que eram esses jogos, que trabalhavam em simultâneo o corpo e a mente sem que os jovens se apercebessem”.

A proposta foi feita por um jornalista mindelense e logo abraçada pela Moave, numa primeira vertente de ensinar aos alunos das escolas do Ensino Básico de São Vicente a jogarem “PION” um dos brinquedos mais populares e difundidos.

Uma iniciativa que vai abranger outros jogos e, nesta quinta-feira, será dado o pontapé de saída em duas zonas, Chã de Alecrim e Ribeira de Craquinha. O projecto “Clin Fora”, passa a ideia de ensinar aos jovens a jogar ‘Pion’, ‘pássa linha’, ‘pxá linha’, trá clin’, ‘rafincada’, ‘tess-tess’, etc.

“Depois, paulatinamente, iremos estender o jogo a outras zonas, pretendendo, daqui a algum tempo, organizar um campeonato”, assegura a mesma fonte.

Para muitas crianças, a escola é o único espaço para brincar, o que torna a educação física escolar um pouco diferente do que se vivia em épocas anteriores. Nos dias de hoje, o brincar está muito mais presente dentro das aulas, mas é um brincar com objectivos. É no brincar que as crianças constroem os seus conhecimentos, é através das brincadeiras que elas entendem a vida e muitas coisas que a vida lhes pode ensinar, como o respeito, a compreensão de regras, viver em grupo, dividir o espaço e os objectos, entre outras experiências.

  1. Se levaram este projecto para frente, penso que daqui a alguns anos os miudos pensarao de outra forma diferente de brincar e agir, porque esses jogos sao muito uteis e amarra qualquer um desde criança passando para os adolescentes, sou testemunha disso eu amava esses jogos desde criança ate a fase adulta. Mas podiam acrescentar outros jogos (picos, botao, matas) etc. Obrigado aos promotores dessa iniciativa tenho saudades dessas brincadeiras.

  2. donde bo tita ba faze es jogo se CM CALCETA SONCENTE: DE UNS PEDRA KTE RATXÓ BO BOLA DENTRE DE 5 MINUT —

  3. donde bo tita ba faze es jogo se CMunicipal CALCETA SONCENTE: DE UNS PEDRA KTE RATXÓ BO BOLA, DENTRE DE 5 MINUT –i estragób bo joelho.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.