Opositor de Putin e mais de 200 manifestantes detidos em Moscovo

12/06/2017 16:43 - Modificado em 12/06/2017 16:43
| Comentários fechados em Opositor de Putin e mais de 200 manifestantes detidos em Moscovo
O principal líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi levado pelas autoridades quando se preparava para participar na manifestação “não autorizada” convocada para as ruas de Moscovo.
O principal líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido à porta de casa quando se preparava para participar na manifestação “não autorizada” convocada para as ruas de Moscovo, esta segunda-feira. A informação é avançada pela esposa de Navalny, Yulia Navalnaya, através do Twitter.

“Olá, sou Yulia Navalnaya. Alexei foi detido na entrada do prédio. Pediu que informasse que os nossos planos não mudaram: Tverskaya”, pode ler-se na conta oficial do activista russo, numa referência ao local para onde estava marcado o início dos protestos contra a corrupção no país.

Segundo a Reuters, a polícia russa já deteve pelo menos 200 manifestantes no centro de Moscovo.

As autoridades de Moscovo autorizaram a manifestação numa zona distante centro da cidade, mas Navalny alterou a localização dessa manifestação para uma das ruas mais movimentadas da cidade, a Tverskaya, perto do Kremlin. A decisão foi tomada depois de o activista ter denunciado uma pressão por parte das autoridades para que empresários não fornecessem materiais de som e de vídeo aos manifestantes.

A detenção do principal líder da oposição não impediu os manifestantes de se dirigirem para as ruas de Moscovo. As imagens em directo divulgadas nas redes sociais mostram centenas de manifestantes nas ruas, vigiados por um forte aparto policial.

Segundo a agência Reuters, foi usado gás pimenta para afastar os manifestantes.

 A decisão de mudar o local das manifestações para uma rua central de Moscovo tinha já levado o procurador-geral russo a lembrar os cidadãos que o protesto serial ilegal e que as autoridades estavam autorizadas a “tomar todas as medidas necessárias” para evitar a desordem.

A afluência à manifestação convocada para esta segunda-feira é vista pelos analistas como uma forma de “medir o pulso” ao apoio que Navalny poderá ter para enfrentar Putin nas urnas, que acontecem dentro de um ano.

“Quero mudanças. Quero viver num Estado democrático moderno e quero que os nossos impostos sejam convertidos em estradas, escolas e hospitais”, defendeu o advogado de 41 anos nas redes sociais, quando decidiu convocar esta manifestação.

Tido como o principal rosto da oposição russa desde 2011, Navalny já liderou várias manifestações contra o regime de Vladimir Putin. Em Março deste ano, 60 mil pessoas juntaram-se a Navalny nas ruas de Moscovo contra um caso de corrupção ligado ao primeiro-ministro, Dmitry Medvedev. Foram então detidas mais de mil pessoas.

No final de Abril, o político russo foi alvo de um ataque que o deixou praticamente cego depois de ter sido atacado com um líquido verde tóxico.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.