Steffi Lima: uma nova voz a despoletar na noite mindelense

9/06/2017 00:35 - Modificado em 9/06/2017 14:10
| Comentários fechados em Steffi Lima: uma nova voz a despoletar na noite mindelense

Residente em Fonte, São Vicente, Steffi Lima fala sobre a sua paixão pela música e pela moda, bem como o seu trabalho como um dos elementos da Associação LGBT de Cabo Verde, Arco-íris, onde desempenha a função de Vice-presidente e tem trabalhado em prol da integração das pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais da ilha.

Considerado na última edição do concurso de música ‘Todo Mundo Canta’, em São Vicente, como detentor de uma voz poderosa, Lima ambiciona chegar ao patamar da música nacional e servir de referência.

Tem um estilo musical ainda não completamente definido, apesar de, futuramente, querer investir no tradicional, pois, acredita que é a melhor forma de evoluir. Tradicional com um toque meu.

Gosta de interpretar os grandes nomes da música nacional. Steffy Lima vê na música uma forma de desabafo.

Na música, diz, encontrou um aconchego, um porto seguro, um abrigo e transformou-a no seu confidente. “É deste modo que me consigo expressar da melhor maneira, uma forma de esquecer tudo de ruim que aconteceu na minha vida”.

O estilo de música tradicional com que mais se identifica, apesar de no momento não ter um estilo ainda definido, é o tradicional.

Em entrevista a este online, afirma que a música, para ele, é uma forma de desabafo: “como cantor, gosto de deitar tudo fora quando canto; sinto-me leve e um dos meus desejos é simplesmente cantar e não pensar em nada, deitar tudo para fora sem problema”, diz o jovem.

Notícias do Norte: Quando é que cantou pela primeira vez e viu que tinha talento para a música?

Steffi Lima: Desde sempre gostava de cantar em casa, mas nunca tinha percebido se tinha jeito para a “coisa”. Então, um dia, em 2015, na edição do TMC arrisquei e fiz o casting para o concurso e passei para as eliminatórias mas, infelizmente, não fui além da primeira eliminatória. Mas isso serviu apenas para perceber que tinha “qualquer” coisa para além da paixão pela música.

Depois, em 2016, após muita prática, voltei a participar no TMC e, desta vez, o meu objectivo era atingir a final, coisa que consegui. Fiquei bastante orgulhoso da minha prestação.

Notícias do Norte: Como tem sido esta caminhada?

Steffi Lima: Tem sido um percurso intenso, pois, evoluí muito. Quando comecei não sabia quase nada sobre a música e desde que comecei no TMC 2015, vi que podia ir mais longe. Comecei a praticar e desde então é sempre a subir e depois da minha participação em 2016 no concurso de vozes, surgiram vários convites para apresentações e tenho-os aproveitado da melhor maneira. Dar a conhecer o meu potencial.

Ambiciono elevar a minha música cada vez mais, tendo como objectivo gravar um álbum e ser um cantor conhecido.

Notícias do Norte: Tens algum projecto em mente?

Steffi Lima: Neste momento estou a trabalhar na composição de alguns temas. Já são quatro e pretendo seguir em frente e lançar brevemente um single com os temas que futuramente farão parte do álbum.

Mas começar a gravar e lançar pelo menos um single está a ser difícil devido à falta de apoio e à valorização de novos artistas e de alguém que aposte em ti.

Notícias do Norte: O que é que a música significa para ti?

Steffi Lima: Para mim, a música é emoção, é vida. Costumo dizer que sem ela não sou nada. Através dela transmito às pessoas um pouco de mim. Canto e expresso o que sou, como o que sinto.

Durante este meu pequeno percurso tive o que chamo duas grandes oportunidades. A primeira, foi em 2015 no Festival de Música da Laginha, no projecto TMC, onde tive uma reacção inesperada, surpreendi todos e desfrutei do momento.

A segunda melhor foi quando cantei em Dezembro em Santo Antão. Foi acolhedor, onde dei tudo de mim. Senti-me em casa, acolhido.

Além da música, Steffi também é apaixonado pela moda.

Conta que a moda entrou na sua vida de rompante, mas que se tornou numa paixão e que até hoje desfruta dos momentos que esta lhe proporciona, também a nível técnico, já que trabalha como instrutor juntamente com algumas pessoas ligadas à área.

Diz que ama esta área, mas que é algo que não pretende seguir como carreira, porque ficou muito desiludido com ela.

 

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.