4 Junho de 1977  :  a versão da DSOP ( Policia Politica )

8/06/2017 01:30 - Modificado em 8/06/2017 02:26

As investigações levadas  a cabo pelo Expresso das Ilhas  sobre os acontecimentos de 4 de Junho  defendem que que o ataque foi desferido contra de uma comunidade, que teve um papel decisivo no processo de independência e que é conhecida pela sua autonomia de opiniões e capacidade de influenciação do país. Ou seja aqueles   que o primeiro-ministro da altura , Pedro Pires , vai chamar de pseudo-burgueses e os pseudo-intelectuais. Não existem documentos , em particular , da vigilância  que os elementos da DSOP, Direcçao da Segurança e Ordem Pública , que ficou conhecida como Policia Politica , visto que os seus elementos foram formados  pela Stasi da RDA, Securitate da Roménia e a polícia de Cuba e URSS, fez sobre diversos cidadãos. Esses documentos “ pura  e simplesmente  desapareceram” assim como os elementos da DSOP, conhecidos por “ bufos” e afins  foram ,em 1990 , com  abertura politica , transformados em agentes da POP , Policia da Ordem Publica  Portanto não havia nem relatórios , nem quem os fez  porque perante a lei nunca houve uma Policia Politica em Cabo Verde .Pese a passagem deles pelas policias politicas comunistas  e as denuncias de cidadãos que foram vigiados por eles .Assim não se sabe se os torturados  de 1977 preparavam “ataques terroristas”. Se tinham no seu poder “ bombas para fazer explodir infra-estruturas em São Vicente ou quais eram as suas intenções .Mas para o regime estava claro que “filhos renegados da nossa terra têm urdido campanhas contra os nossos países através de panfletos subversivos”. No Mindelo e na cidade de Bissau foram detectados panfletos lançados por ex-informadores da PIDE ligados a traidores no estrangeiro. Essas tentativas de anti-africanos não parecem estar desligadas da estratégia geral do imperialismo para a desestabilização dos Estados progressistas africano “
O Expresso das ilhas revela uma nota de imprensa da Direcção Nacional de Segurança justifica as prisões da seguinte forma:
“Depois de confirmar a existência nas áreas de São Vicente e Porto Novo de contra-revolucionários, incluindo antigos informadores da PIDE-DGS, que mantêm estreitas relações com elementos anti-nacionais radicados no estrangeiro, a Direcção Nacional de Segurança e Ordem Pública, ordenou ao Agrupamento daquela  área a proceder ao desmantelamento do referido grupo. Das primeiras averiguações apurou-se que:
1 – Efectivamente todas as pessoas até ao momento detidas estão ligadas àquele grupo;
2 – O objectivo principal a que se propunham era a criação de um clima de insegurança interna e desprestígio do Governo no plano externo a fim de criar as condições propícias a uma intervenção do exterior, que tentaria destruir o actual regime político e travar o processo de transformação social em curso;
3 – Para levarem a cabo seu intento, tencionavam:
4 – Mobilizar a população através de panfletos de conteúdo calunioso e demagógico, que já  tinham começado a espalhar nas  áreas atrás mencionadas, e particularmente, nas frentes de trabalho em S.Vicente;
5 – instaurar um clima de instabilidade, para o que já tinham plano e material para a sabotagem de alguns pontos sensíveis, tais como a JAIDA, a Central Eléctrica, as Instalações de Telecomunicações, os quartéis, a Rádio Voz de S.Vicente, vias de comunicação em S.Antão, ao mesmo tempo que procederiam à liquidação física de alguns responsáveis do Partido e do Governo.
Neste momento prosseguem as averiguações com vista ao apuramento das responsabilidades. Mais se informa que, um dos detidos, furtando-se à vigilância dos guardas, evadiu-se e, ao ser localizado, saltou do terraço onde se encontrava tendo ficado gravemente ferido.”

 

  1. Manel

    Muitos dos presos políticos de 1977 foram detidos na Ribeira das Patas, Santo Antão. Léla Pires, Ildo de Tita, Alexandre de Teresa, Manel Pinto, Augusto Évora, Alberto Morais, João Leite, Manuel de Bia, António Pinto, todos residentes ou naturais da Ribeira das Patas, foram levados para as cadeias de São Vicente em 1977.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.