PAICV: “estão-se a registar retrocessos no sector da saúde”.

8/06/2017 01:18 - Modificado em 8/06/2017 01:18
| Comentários fechados em PAICV: “estão-se a registar retrocessos no sector da saúde”.

A Vice-presidente do PAICV e deputada eleita pelo círculo eleitoral do Fogo, Eva Ortet, reagiu à questão do problema de evacuação de doentes em estado grave que domina os temas de debate dos últimos dias.

“Efectivamente, estamos perante um Governo insensível e sem rosto humano, que não se importa com os doentes “graves” e com necessidades especiais de tratamento e, muito menos, com as suas famílias e as suas dores!”. Ortet acrescenta que o Governo submete doentes “graves” a um sistema de transporte e evacuação em macas e em embarcações, sem condições de dignidade, segurança ou comodidade, como o que se verificou.

Para o PAICV, os doentes estão a ser vítimas do “descaso” na forma de fazer as coisas por parte do Governo, “num claro retrocesso e com uma absoluta falta de respeito para com as gentes do Fogo, o que configura uma flagrante violação dos princípios constitucionais da dignidade humana”.

Para Eva Ortet este não foi o compromisso que o Governo assumiu com as pessoas do Fogo e nem a solução desejada, isto numa área “tão sensível como é a saúde”.

“O sistema de saúde num país arquipelágico como Cabo Verde, tem de perspectivar mecanismos de evacuação que sejam eficazes, céleres, eficientes e em condições de dignidade”, sustenta. E pede mais respeito, empenho e melhores investimentos no sector da saúde na ilha do Fogo. É entendimento dos deputados do PAICV eleitos no círculo eleitoral do Fogo que, “não havendo condições de evitar as evacuações, os doentes devem ser transportados em condições de segurança e dignidade”.

Questiona o Governo sobre os atrasos na evacuação de doentes para Cidade da Praia e a opção de transportar doentes “graves” pela via marítima, em embarcações sem condições para tal. Questiona ainda a razão pela qual se está a registar um retrocesso no sector da saúde após vários ganhos conseguidos. E porque é que depois de um ano de governação ainda não se encontrou uma solução. E porque é que o Governo não analisou a situação antes de liquidar a TACV.

“O PAICV está extremamente preocupado pela forma de actuação deste Governo, que (ao que tudo indica) só consegue trabalhar “sobre os joelhos” e, quase sempre, de forma atabalhoada e com prejuízo para as famílias cabo-verdianas e para o País”.

Exorta o Governo a avançar com o Plano Nacional de Evacuação de Doentes Graves para os hospitais centrais enquanto não são criadas as condições de tratamento nas ilhas.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.