POST: não quero saber quem é o dono da BINTER Cabo Verde

24/05/2017 08:40 - Modificado em 24/05/2017 08:40

É certo que este assunto vai dar milhares de posts e milhões de comentários. Começamos  por este de Mauricio de Carvalho porque estamos de acordo que passamos de um monopólio para outro . Mas a mim não me interessa quem é o dono  da ELECTRA ,  desde que essa empresa me ofereça água e energia de qualidade a um preço justo , Nem quero saber que são os donos das empresas de telecomunicações , angolanos , portugueses , chineses  , estou nas tintas desde que obedeçam ao principio de prestar um serviço de qualidade a um preço justo. Só me lembro dos donos quando este binómio não é respeitado  e me fornecem um serviço de m….  ou simplesmente não  prestam o serviço  por  um preço que se assemelha a  um assalto a mão armada como me fez a TACV durante uma vida . E mantenho o mesmo principio , que dizem ser liberal : não quero saber quem é  o dono da BINTER Cabo Verde  e muito menos que o governo em vez de sair dessa cilada que é ser dono ou  coproprietário de uma companhia área resolve meter 49 % do dinheiro dos contribuintes quando ainda nos vai sacar 100 milhões para pagar as dividas da aventura anterior .. Mas dou  tudo isso de barato  desde que a  BINTER Cabo Verde me preste um serviço de qualidade a um preço justo para que não me lembre de   quem são os donos.

Eduino Santos

Portanto, ao monopólio dos TACV, segue-se o monopólio da Binter, Cabo Verde

Portanto, ao monopólio dos TACV, segue-se o monopólio da Binter, Cabo Verde.
Eu pensava, talvez erradamente, que o problema da companhia aérea de bandeira era de pessoal, de um enorme excesso de meios humanos, administrativos e técnicos, em relação ao número de aeronaves.
Nem sequer era de excesso de pilotos ou pessoal de navegação … era de “burocratas” e do sistema de benesses que estava instalado.
E até pensei que a ajuda do Banco Mundial, bem negociada pelo Governo, se destinada a implementar a redução do número de trabalhadores e a suportar as respectivas indemnizações, já que até para vender a empresa era necessário “lavar-lhe a cara”…
Vejo que me enganei … o problema não é o excesso de trabalhadores, são as aeronaves e as rotas, vendem-se umas, acabam-se com as outras … e passa se do monopólio da companhia de bandeira, que tão maus resultados tinha dado, para o monopólio de uma companhia estrangeira…
Pois, mas isto sou eu a pensar que não entendo nada de aeronáutica …. só do preço do transporte aéreo …. hoje voar de Lisboa para Beijing (13 horas de voo/240€) é quase ao preço de Praia/S. Nicolau em época alta (40 minutos de voo, 22.000ECV) ….

 

https://www.facebook.com/mauricio.decarvalho.5

  1. maria

    gostei da sua abordagem

  2. e esse o problema Joaquim Almeida que queremos discutir sobre uma transportadora área em cabo verde ” Quando compràmos um bilhete por preços exorbitados , tudo programado e que no entanto é sistemàticamente modificado no seu destino na hora do embarque!. Queremos um serviço aposto a esse que te prestaram , queremos um preço justo e não preços que parecem que pagamos uma passagem para Marte e não para EUA. A questão do dono é irrelevante , é pura ideologia ao sabor dos “morangos do nordeste ” na versao amor a terra 2 , desde que o dono nos preste um serviço de qualidade a preço justo .

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.