Operação Príncipe III: Arguidos condenados a 7 e 10 anos de prisão

17/04/2017 08:04 - Modificado em 17/04/2017 08:04
| Comentários fechados em Operação Príncipe III: Arguidos condenados a 7 e 10 anos de prisão

O Tribunal da Comarca da Praia leu a sentença dos doze arguidos envolvidos no processo denominado Operação Príncipe III. O cabo-verdiano Fernando Furá considerado responsável pelo transporte da droga foi condenado a uma pena efectiva mais pesada de 10 anos e quatro meses. Os quatro arguidos brasileiros foram condenados a oito anos e três meses de prisão, enquanto que o russo foi condenado a apenas sete anos.

Após a Audiência Contraditória Preliminar, os envolvidos foram pronunciados a serem julgados no Tribunal Colectivo constituído por três juízes. A audiência do julgamento ocorreu no dia 14 de Março. Doze arguidos e várias testemunhas foram arroladas ao processo.

O Ministério Público absolveu alguns dos arguidos mas pediu que o arguido Fernando Furá fosse condenado a uma pena de 13 anos uma vez que foi considerado o responsável pelo transporte da droga.

A leitura da sentença foi feita no passado dia 12, tendo os arguidos estrangeiros e o cabo-verdiano envolvido e que já se encontravam em prisão preventiva, sido condenados a penas de prisão efectiva, acusados de Associação Criminosa e Tráfico Internacional de Droga.

O cabo-verdiano Fernando Furá considerado responsável pelo transporte da droga deverá cumprir uma pena de 10 anos e quatro meses de prisão, enquanto que os brasileiros foram condenados a penas de oito anos e três meses de reclusão. O cidadão russo teve uma pena mais leve de sete anos. Os cidadãos estrangeiros ficam proibidos de entrar em Cabo Verde.

A apreensão de 280 quilos de cocaína ocorreu no Sul da ilha do Fogo. O navio de pesca brasileiro denominado Príncipe III, provinha do Brasil para fazer o transbordo da droga em águas cabo-verdianas, mas não terá chegado ao local combinado por falta de combustível. A droga provinha da América do Sul, passaria por Cabo Verde e, posteriormente, seria exportada para a Europa.

Na sequência da investigação, a Polícia Judiciária apreendeu 450 litros de combustível, armas e munições, telefones por satélite, 2 mil contos ECV, cerca de 4 mil dólares, 24 mil euros, além de vários documentos com relevância para a investigação criminal.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.