Facebook já tem um alerta pronto para combater notícias falsas

27/03/2017 08:43 - Modificado em 27/03/2017 08:43
| Comentários fechados em Facebook já tem um alerta pronto para combater notícias falsas

Foi logo após as eleições nos EUA que o tema das notícias falsas nas redes sociais saltou para a ribalta. Depois de vários meses de desenvolvimento, o Facebook já tem uma ferramenta pronta para as combater.

A plataforma de “fact-checking” do Facebook para identificar as notícias falsas já está em funcionamento. Qualquer utilizador que veja no feed uma notícia que considere falsa pode assinalá-la. Sempre que esse conteúdo for partilhado na rede aparecerá com um objeto que a identifica como possivelmente falsa.

Em dezembro, o site tinha anunciado uma parceria com uma plataforma independente de confirmação de fatos, para acabar com a proliferação de conteúdos falsos do feed da página.

Um dos primeiros posts a ser assinalado com falso aconteceu durante as comemorações do dia de São Patrício, na sexta-feira. A publicação, originalmente partilhada pelo blogue “Newport Buzz”, apresentava um vídeo sobre a alegada escravatura a que milhares de irlandeses foram sujeitos.

Quando os utilizadores da rede social tentaram partilhar essa informação foram confrontados com um alerta vermelho, informando que o conteúdos tinha sido marcado pela “Snopes” e pela “Associated Press” como potencialmente falso. Ao clicar no artigo surgia uma segunda janela com informações sobre notícias falsas.

Quem, ainda assim, ignorou o alerta e decidiu publicar o conteúdo foi prontamente notificado de que se tratava de uma notícia identificada como potencialmente falsa e que estava a ser investigada pela “Snopes” e pela “AP”.

Liam Hogan, um bibliotecário e historiado irlandês, utilizou as redes sociais para dar conta da publicação falsa. “Os apoiantes de Donald Trump estão a ficar loucos com este alerta”, escreveu.

Por outro lado, há que critique o envolvimento dos agentes externos, como o “Snopes”, nesta nova aplicação. “É uma plataforma de esquerda, não deveria estar envolvida nisto”, escreve um utilizador do Twitter.

Apesar do mecanismo ainda não estar disponível em todas as regiões, não tardará até que seja massificado. Tal como em outros casos, a redes social de São Francisco, nos EUA, começa por testar as suas aplicações em determinados países para depois as tornar disponíveis para todos.

jn.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.