PAICV: “Doze meses de governação já deveria haver sinais da política de transportes do Governo”

9/03/2017 08:31 - Modificado em 9/03/2017 08:31

O PAICV, doze meses após a eleição do MpD, quer questionar o Governo sobre a política de transporte a nível nacional. Para o PACV, no programa de Governo da IX Legislatura, o MPD assumiu o compromisso de “construir um sistema de transportes integrado, competitivo e seguro, com relevante contribuição para a riqueza nacional, o emprego e a mobilidade nacional e internacional, através de uma ligação regular e eficiente das ilhas entre si e o mundo”.

Nuias Silva, Vice-presidente da bancada parlamentar, diz que volvidos doze meses após as legislativas e com dois orçamentos aprovados, “os problemas subsistem, as soluções não chegam e as medidas implementadas por este Governo resumem-se à substituição desenfreada e com forte cunho partidário das administrações das empresas do sector público dos transportes como, de resto, sucede noutros domínios”.

O partido vai interpelar o Governo na próxima sessão parlamentar questionando sobre as políticas e a visão que o mesmo tem para o sector. E no quadro feito pelo deputado acerca do sector, diz que os problemas são crescentes, com um elevado custo do transporte de mercadorias inter-ilhas, a descontinuidade das ligações entre Cabo Verde e a sub-região africana, as dificuldades da TACV.

Como adianta a bancada parlamentar do PAICV, o objectivo não é o de ter “resultados definitivos”, mas, saber como é que o Governo pensa resolver os problemas. “Depois de doze meses, é tempo suficiente para que haja sinais”. E o partido pretende saber como é que o Governo vai financiar a modernização da frota marítima nacional, como vai fazer para criar o acesso regular de bens e serviços em todos os pontos do país. “Se a ilha do Maio e da Brava estavam isoladas em Março, não há razão para que doze meses depois continuem isoladas.”

Para Nuias Silva, o Governo ainda não tem obras para apresentar “a não ser aquelas que herdou do Governo anterior e que não pode revogar ou colocar em stand by”.

  1. Pelo menos está mais melhor do que antes, e certamente vai haver mais melhorias com a entrada da praia de aguada e o outro fast-ferry mas há outros sinais que estão para vir tendo em conta que ainda há só 1 ano de governação, saimos do negativo para o positivo isso é que interessa.

  2. Silvino Silva

    Um ano de governação num país super endividado, com o Cabo Verde Fast Ferry onde o Estado meteu centenas de milhares de contos em falência ( técnica e financeira ) e muito lixo debaixo do tapete. Agora a falência do Novo Banco. De quem é a culpa ?A pouco e pouco mais escândalos irão aparecer para documentar a boa governação dos últimos 15 anos.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.