Último prisioneiro ocidental de Guantánamo foi transferido para o Canadá

30/09/2012 19:17 - Modificado em 30/09/2012 19:18
| Comentários fechados em Último prisioneiro ocidental de Guantánamo foi transferido para o Canadá

Omar Khadr, o último prisioneiro ocidental detido pelos Estados Unidos no campo militar de Guantánamo, foi repatriado para o Canadá, onde deverá cumprir o tempo remanescente da pena aplicada por uma comissão militar norte-americana por crimes de guerra.

 

Khadr, que nasceu em Toronto, no Canadá, mas passou a infância no Paquistão, foi ferido em combate e capturado pelas forças americanas no Afeganistão em 2002, quando tinha 15 anos. O canadiano foi enviado para Guantánamo, onde passou toda a sua vida adulta: em 2010 foi finalmente acusado e julgado, tendo sido condenado a 40 anos de prisão pela morte de um soldado americano.

 

No entanto, chegou a acordo com a justiça militar, declarando-se culpado. Tinha de cumprir oito anos de pena, com a possibilidade de repatriamento ao fim do primeiro ano.

 

O ministro da Segurança Pública do Canadá, Vic Toews, confirmou que Omar Khadr foi ontem transferido num voo militar de Guantánamo até à base aérea de Trenton, no Ontário, e daí seguiu para a prisão de alta segurança de Milhaven. “Os serviços prisionais do Canadá certificar-se-ão que a pena será cumprida, atendendo à gravidade dos crimes cometidos”, garantiu.

 

Filho de um indivíduo referenciado pelos serviços secretos como financiador da Al-Qaeda (Ahmed Khadr foi morto numa emboscada militar no Paquistão em 2003), o processo de Omar Khadr gerou polémica desde o momento da detenção, não só por causa da sua idade, como pelas circunstâncias em que foi capturado e a natureza das acusações que lhe foram movidas.

 

Como recordava ontem a Reuters, Omar foi levado para o Afeganistão pelo pai, para aprender a fabricar bombas no complexo da Al-Qaeda em Khost, que foi bombardeado pelas tropas americanas. Na batalha que se seguiu, o rapaz de 15 anos foi ferido com gravidade (dois tiros nas costas e um na cabeça, que lhe tirou a visão num olho).

 

De acordo com o Exército americano, o sargento Christopher Speer foi morto em combate por uma granada lançada por Omar — a sua punição por esta morte foi contestada como ilegal, uma vez que em situação de embate militar só circunstâncias extraordinárias justificam a acusação por homicídio. Khadr foi ainda acusado de conspiração e apoio material a actos terroristas e espionagem.

 

O Presidente dos EUA, Barack Obama, assinou uma ordem executiva para o encerramento da prisão de Guantánamo dois dias após tomar posse, em Janeiro de 2009. Contudo, ainda continua aberta, albergando 166 prisioneiros. Ainda existem “alguns obstáculos” a impedir a concretização da ordem do Presidente, notava ontem à Associated Press uma fonte da Administração.

 

 

 

 

 

jn.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.