Março mês de todas as datas da mulher

3/03/2017 08:11 - Modificado em 3/03/2017 08:11
| Comentários fechados em Março mês de todas as datas da mulher

Março mês da mulher, comemorado no dia 08 deste mês. Em 1975, foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em Dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adoptado pelas Nações Unidas para lembrar as conquistas sociais, políticas e económicas das mulheres.

De acordo com fontes históricas, actualmente, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um carácter festivo e comercial. Nesta data, os empregadores, sem certamente pretenderem evocar o espírito das operárias grevistas de 8 de Março de 1917, costumam distribuir rosas vermelhas ou pequenos mimos às suas empregadas.

A 8 de Março de 1857, em plena Revolução Industrial, um grupo de operárias em Nova York foi trancado e queimado vivo pelo patrão e pelas forças da polícia ao reivindicar as mesmas condições salariais e laborais dos homens. Na convicção de que este drama jamais deveria ser esquecido e que a coragem daquelas mulheres deveria ser para sempre homenageada, as Nações Unidas, em 1910 declarou-o como Dia Internacional da Mulher.

Para o Instituto Cabo-verdiano de Igualdade e Equidade de Género (ICIEG), esta data deve servir para chamar uma mudança e para celebrar actos de coragem e determinação concretizados por mulheres comuns que têm desempenhado um papel extraordinário na história dos seus países e comunidades – sobretudo, uma oportunidade para reflectir sobre os progressos realizados. E o resultado desta reflexão tem sido, invariavelmente, que, apesar de todas as conquistas alcançadas ao longo das décadas, ainda há muito por fazer.

São várias as facetas da desigualdade entre homens e mulheres: desde a violência baseada no género, às “barreiras invisíveis” para as mulheres no mundo laboral, na diferente possibilidade de ascensão a lideranças e cargos de chefias.

“É necessário ressaltar que enquanto existir a atribuição de tarefas domésticas em função do sexo das pessoas, a distinção de brinquedos para meninas e para meninos, a utilização da imagem feminina estereotipada na publicidade e tantas outras situações igualmente corriqueiras, o culto da diferença que leva desigualdade continuará a perpetuar todas as suas facetas, inclusivamente a da VBG”, afirma a mesma fonte num artigo na sua página.

Já no contexto nacional celebramos a 27 do mesmo mês, o Dia da Mulher Cabo-verdiana, numa homenagem ao seu papel fundamental em todo o processo pré e pós Independência.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.