O mau estado das notas de 200 preocupa comerciantes

23/02/2017 07:58 - Modificado em 23/02/2017 07:58
| Comentários fechados em O mau estado das notas de 200 preocupa comerciantes

Em Novembro de 2014, o Governo anunciou a emissão de novas notas de mil e de duzentos escudos em homenagem ao músico Gregório Vaz “Codê di Dona” e ao escritor Henrique Teixeira de Sousa, assim como à própria ilha do Fogo. A nota de duzentos escudos mereceu algum destaque na época, isto pelo facto de ser de plástico, o que figurava uma maior conservação e durabilidade. Passados dois anos, a nota duzentos escudos tem sido o “patinho feio” no âmbito do dinheiro. Isto pelo desgaste que a nota tem sofrido, perdendo todas as figuras da nota. Este aperto surge nas relações comerciais onde há desconfiança se o comerciante vai aceitar a nota ou se o cliente vai aceitar a nota de volta como troco.

Nas redes sociais, o tema ainda não ganhou muita expressão, mas já circulam fotografias da nota questionando o seu estado de conservação. Mas comecemos pelo início, de quando a nota ainda era novidade e enchia os olhos de quem pegava nela. “Logo quando saiu, vimos que era diferente e eu que estive no Brasil consegui ver uma nota de plástico e fiquei contente porque podem durar muito e não se rasgam nem se molham”, afirma Cristina Monteiro. Ela já tinha experiência com outro tipo de notas, mas já para Adilson Neves, a nota era diferente das que já tinha visto e, por isso, gostou da ideia. “Era bonita e diferente”.

Todavia, com o passar do tempo e do uso, a nota começou a revelar-se pouco durável. E quando a nota já está toda descorada é que a situação fica mais preocupante. Isto por parte dos que lidam com trocas comerciais. “Realmente é preocupante o estado em que as notas estão a chegar”, assevera Didi dos Santos, comerciante em Espia. Para ele, muitas pessoas vão comprar com as notas e muitas vezes vê-se pouco dos desenhos”. Uma situação embaraçante pois sabe-se que é uma nota legal e não podemos recusá-la.

Como explica, a nota tem cumprido a sua função, mas o pedido é de notas que durem. As mesmas críticas sobre os duzentos escudos já não recaem sobre as notas de mil e de quinhentos. Feitas ao estilo das notas antigas, mais sofisticadas em termos de segurança contra as tentativas de falsificação, ainda mantêm a vertente duração. “As notas de duzentos não estão a servir muito bem”, diz outro comerciante, Maria Rosa.

Dos entrevistados, o pedido tem sido comum: um olhar sobre a nota “e, se não for pedir muito, uma nota mais durável”, conforme adianta Cristina Monteiro, antes que possa haver confusão por causa de uma nota já desgastada.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.