Afinal quem sufocou os municípios o PAICV ou o MpD?

21/02/2017 07:39 - Modificado em 21/02/2017 07:39

Na Assembleia Nacional, o Mpd acusa o Governo anterior de ter sufocado os Municípios; o PAICV refuta as acusações e assegura que o actual executivo ainda não deixou o lugar que tinha na oposição. Entre acusações e “desculpas”, a UCID adianta que os cidadãos devem estar insatisfeitos com as retóricas no Parlamento uma vez que, de facto, os municípios ainda não usufruíram das regalias.

O grupo parlamentar do MpD acredita que o Governo anterior sufocou as Câmaras Municipais do país e João Gomes, coordenador do partido em São Vicente, adianta que “o PAICV engordou o Estado com a proliferação de instituições, não se coibindo de voltar a centralizar estruturas descentralizadas nos anos 90”. O partido que está no executivo ainda defende que a legislação em relação aos municípios aprovada pelo PAICV condiciona a autonomia das autarquias e não promove a descentralização.

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), por sua vez, refuta as acusações do actual Governo e Rui Semedo, deputado do partido, esclarece que na governação do PAICV houve uma “alteração substancial no fundo de financiamento municipal e que dos cerca de 600 mil contos anuais transferidos para os municípios chegámos a mais de três milhões de contos”. Desta forma, o antigo governo tira o “corpo de fora” no que toca a actual situação financeira dos municípios, mas adianta que “estas migalhas que estão a ser transferidas agora não resolvem os problemas dos municípios e que o financiamento aos municípios passa pela nova lei de finanças locais que aumenta substancialmente as transferências para os municípios”, isto de acordo com a Inforpress.

A União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), por seu lado, não entra na “quezila” do actual e do ex-governo e o deputado João Luís apela por medidas concretas para o desenvolvimento e sustentação das ilhas. A UCID deseja acções governamentais com vista à expansão dos sectores primário, secundário  e terciário com o objectivo de desenvolver a economia das regiões de Santo Antão, S. Nicolau e de outras de Cabo Verde para evitar a “fuga das populações” dessas ilhas para a Cidade da Praia, Sal e Boa Vista.

  1. Manel

    O PAICV É CONTRA O PODER AUTÁRQUICO. O Governo do PAICV não só sufocou como também sabotou o poder autárquico, de forma desleal e traiçoeira. Os ataques odiosos contra alguns autarcas, eleitos pelo povo, foi de tal forma “violenta”, que alguns nem resistiram psicologicamente, face a “brutalidade” e a agressividade do Governo do PAICV e dos seus agentes. Se querem saber, o exemplo da Grande ISAURA GOMES está bem presente! Vejam quão desumana foi a governação do PAICV em tudo o que diz respeito ao Poder Local. Não desculpas!

  2. Silvério Marques

    Os deputados não conseguem ter um raciocínio em termos económicos. Para aumentar a subvenção aos municípios é preciso haver um aumento de receitas. Para haver um aumento de receitas é preciso criar riqueza ou então aumentar os impostos. Todos sabemos da taxa de crescimento da nossa economia. O que os deputados querem é um aumento de impostos.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.