Mais um feto encontrado no lixo: A facilidade de abortar

16/02/2017 08:42 - Modificado em 16/02/2017 08:42

Foi encontrado, esta terça-feira, um feto já em avançado estado de decomposição no terminal de esgoto da estação de tratamento das águas residuais, no Conselho de Santa Catarina de Santiago. Segundo a Delegada de Saúde local, Elisangela Tavares, suspeita-se que o feto tenha entre vinte e duas a vinte e seis semanas e terá sido colocado na rede de esgoto. Acrescenta que o aborto poderá ter ocorrido há quatro ou cinco dias.

 

Este caso levanta a questão sobre o aborto e a sua facilidade e os riscos consequentes. Este não é um caso isolado visto que já se registaram notícias de fetos encontrados no lixo. A preocupação aumenta quando se fazem abortos caseiros que para além de serem um acto criminoso, como adianta a Delegada de Saúde, põem em risco a saúde da autora do aborto.

A Delegada avança que é preciso fazer alguma coisa para eliminar esta prática, “mas tudo acontece porque é fácil e acessível”. O caso aconteceu em Santa Cataria que é um lugar onde se costumam vender medicamentos nas ruas. Neste sentido, torna-se fácil aceder a medicamentos que podem levar ao aborto. Para Elisangela Tavares, “as consequências não são só momentâneas, como dor, sangramento ou infecção, mas também tardias, porque acabam por acarretar problemas de saúde”.

O aborto não é legal e é um crime. A legislação nacional prevê a realização do aborto clínico como é explicado numa rectificação no Boletim Oficial. “Para proteger os direitos reprodutivos das mulheres autorizando o aborto clínico em casos de violência sexual, violação, incesto e sempre que a continuação da gravidez ponha em risco a saúde mental e física da mãe ou da mãe e do feto”.

Em caso de aborto, o apelo é o de contactar os serviços de saúde.

  1. Andrea Fortes

    “Crianças sao flores da revolução”. Maldita a hora que esta frase foi formulada. E os homens, nao esquecer tambem as mulheres, estonteadas com os slogans ilusórios da revolução perderam todo o controlo sobre o seu desejo sexual.
    Milhões foram investidos em campanhas de consciencialização sobre uma reprodução responsável, milhões foram investidos em artigos anti conceptivos, dinheiro perdido, tempo perdido.
    A libido incontornável e indomavel falou mais alto. A cabeça deixou de funcionar, a noção de responsabilidade desapareceu e o resultado está à vista de todos.
    Uma paternidade irresponsável, crianças trazendo ao colo crianças, miséria alargada e o pior ainda essa explosão duma população jovem e sem nenhuma perspectiva vai funcionar como uma bomba atómica debaixo desta sociedade.
    Crianças que na verdade deveriam ser umas flores e como tais tratadas, pois nao pediram para vir para este mundo, foram finalmente as maiores vitimas da revolução.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.