Saída de Eduardo dos Santos é tardia, «mas pelo menos vai de próprio pé» – Luaty Beirão

6/02/2017 08:45 - Modificado em 6/02/2017 08:45
| Comentários fechados em Saída de Eduardo dos Santos é tardia, «mas pelo menos vai de próprio pé» – Luaty Beirão

O anúncio da não recandidatura de José Eduardo dos Santos à Presidência angolana peca por tardia, «mas pelo menos vai de próprio pé», disse hoje à Lusa o ativista angolano Luaty Beirão.

«Não consegui ficar empolgado com a notícia do José Eduardo, apesar de estar muito satisfeito que ele tenha conseguido sair de própria iniciativa e evitado o triste `cliché` africano», disse Luaty Beirão, que considera que anúncio «já vai tarde, mas pelo menos vai de próprio pé».

O presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, anunciou sexta-feira que não irá recandidatar-se ao cargo de Presidente da República nas eleições gerais deste ano, deixando assim o poder em Angola ao fim de 38 anos.

O anúncio foi feito na abertura dos trabalhos da reunião do Comité Central do MPLA, que serviu para aprovar as listas de candidatos a deputados nas eleições previstas para agosto.

Apesar de não integrar as listas, José Eduardo dos Santos foi eleito em agosto último para novo mandato como presidente do MPLA e anteriormente ainda, em março, anunciou que pretendia deixar a vida política em 2018.

No discurso de sexta-feira, José Eduardo dos Santos anunciou – o que aconteceu pela primeira vez publicamente – que já está aprovado o nome do vice-presidente do partido e ministro da Defesa, João Lourenço, para cabeça-de-lista do MPLA às próximas eleições gerais, e candidato a Presidente da República.

Luaty Beirão disse à Lusa que não conhece «suficientemente» João Lourenço.

«Não conheço suficientemente o João Lourenço para acreditar que alguma coisa irá mudar com este MPLA de jurássicos com os seus enormes e farfalhudos rabos-de-palha. Não creio que os chame para um baile coletivo `à volta da fogueira` para mostrar a todos `o que custa a liberdade`. Adoraria estar errado», considerou.

Luaty Beirão foi um dos 17 ativistas detidos em junho de 2015 por estarem juntos a ler e a debater o conteúdo do livro de Gene Sharp «Da Ditadura à Democracia», tendo sobrevivido a duas greves da fome, uma das quais de 36 dias.

Os ativistas foram condenados a penas de prisão efetiva entre dois anos e três meses e oito anos e seis meses, por atos preparatórios para uma rebelião e associação de malfeitores e libertados a 29 de junho de 2016 por decisão do Tribunal Supremo, que deu provimento ao ‘habeas corpus` apresentado pela defesa, pedindo que aguardassem em liberdade o resultado dos recursos da sentença da primeira instância.

Foram depois abrangidos por uma amnistia, prevista numa lei aprovada pelo parlamento angolano.

 

abola.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.