A unanimidade a volta de Ulisses e contestação a volta de Janira

12/01/2017 07:13 - Modificado em 12/01/2017 07:13

O MpD, no último fim-de-semana, reelegeu Ulisses Correia e Silva com noventa e nove por cento dos votos expressos, sendo cerca de sessenta e cinco por cento os militantes que foram às urnas. Os noventa e nove por cento dos votos expressos podem evidenciar uma certa coesão interna e apoio à volta do seu líder e, ainda, significa que a maioria dos militantes está com o seu líder, apoia a sua liderança e a visão que tem do seu partido e do Governo que lidera.

Se os cem por cento no candidato não foram conseguidos pelo MpD, esta será a meta do PAICV depois de um período eleitoral conturbado. A Presidente do PAICV, Janira Hopffer Almada, depois de confirmada a derrota nas autárquicas colocou o cargo à disposição. E no congresso marcado para o fim de Janeiro é candidata à sua sucessão.

A unidade partidária do PAICV tem sido uma meta a longo traçada, mas que vem sendo adiada. A expectativa é que o congresso electivo do partido possa trazer essa tão almejada vontade. A actual Presidente e candidata à sua própria sucessão, reconhece que existem vozes contrárias no partido à sua gestão. “O meu desejo é que haja outras candidaturas, até porque tenho sido muito contestada internamente e acho que os contestatários devem-se sentir como alternativa e apresentarem-se aos votos dos militantes”, afirmou.

Esta é uma das certezas da Presidente que já manifestou a vontade dos contestatários de darem a cara e uma dessas formas seria a apresentação de uma candidatura à liderança do partido. Até agora, não houve nenhuma manifestação formal de militantes a apresentarem uma outra candidatura.

Uma candidatura única seria o ideal para o partido, como já foi manifestado. O consenso interno e a unidade de pensamento nos objectivos do partido são as metas pretendidas pelo PAICV. E, uma análise dos resultados do pleito interno do MpD, demonstra que o partido está à volta do seu Presidente com noventa e nove por cento de apoio nas urnas.

Uma meta que para o PAICV seria algo benéfico, já que enquanto os adversários demonstram coesão, o PAICV vai ainda tentando alcançar um estado de tranquilidade depois de um 2016 desastroso em termos de resultados eleitorais.

Um bom exemplo para o PAICV foi o que aconteceu em São Vicente com Alcides Graça a ser reeleito Coordenador do Partido na ilha com cerca de noventa e seis por cento dos votos, concorrendo como único candidato. O que a registar-se seria uma prenda de Natal atrasada em Fevereiro.

Hernani Delgado

  1. JOAO

    QUEM CONCORRE SOZINHO É VENCEDOR UM ANTECIPADO. Contudo a ganância de poder no sei dos dirigentes do PAICV, demonstra que o Partido está longe de chegar ao bom porto. Estabilizar o Partido para enfrentar as futuras eleições vai ser custoso.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.