Licenciada em Gestão de Empresas trabalha como empregada doméstica

11/01/2017 07:27 - Modificado em 11/01/2017 07:27

Depois de tantas lutas sem sucesso, Anny Rodrigues resolveu trabalhar como empregada doméstica, ganhando menos de um salário mínimo. A jovem de 25 anos licenciou-se em Gestão de Empresas e, sem opção, abraçou a primeira oportunidade de trabalho para o seu auto-sustento.

Anny Rodrigues é natural da ilha de Santo Antão, Vila das Pombas, e é residente em São Vicente onde se licenciou em Gestão de Empresas há 3 anos.

Entretanto, após 3 anos de luta à procura do primeiro emprego, a jovem gestora não conseguiu, até agora, ingressar no mercado do trabalho na sua área de formação o que faz aumentar, ainda ,mais o número de jovens licenciados desempregados no país.                                                                              

Anny Rodrigues diz ter regressado para Santo Antão logo após a finalização do curso onde acabou por iniciar o seu primeiro projecto com o objectivo de “obter o meu próprio emprego, mas não foi adiante devido à falta de financiamento”. Sendo assim, a jovem teve de regressar novamente para a ilha de São Vicente onde trabalha como empregada doméstica há quase 2 anos, sobrevivendo com menos de um salário mínimo e sem seguro.

Abrem-se muitos concursos aqui em Cabo Verde e nem todos conseguem sequer candidatar-se porque em todos os concursos encontra-se a tal frase “2 a 3 anos de experiência” que, infelizmente, nem todos os licenciados têm. A entrevistada, que lamenta a situação, acrescenta que “as empresas procuram sempre pessoas com experiência e nós não temos essa tal experiência porque ninguém nos dá essa oportunidade”.

Para a jovem que já concorreu a vários concursos à procura do primeiro emprego e sem sucesso, é uma frustração ter-se dedicado a vários anos de estudos e no final não conseguir um trabalho de acordo com a formação. 

“Imagina a frustração que é você ter estudado durante quatro anos e no final não encontrar um emprego? Hoje, sinceramente, estou desacreditada em relação ao nosso mercado do trabalho, pois não vejo qualquer oportunidade para mim e nem para os futuros licenciados”, afirma a jovem desencorajada.

Anny Rodrigues apela ao Governo para que crie mais programas para o apoio à criação do auto-emprego para todos os jovens licenciados.

“O Governo deveria criar mais programas que apoiem a criação do auto-emprego, o tão falado empreendedorismo. Deveria também criar políticas que apoiem essas empresas para que, desse modo, possam abrir oportunidades a novos quadros”.

  1. Acho que o Governo deve ou deverá, criar um programa de reformas antecipadas não só reformar por completo os que já completaram o tempo de serviço prestado, ou seja os 34 anos, ao mesmo tempo fazer concursos de recrutamentos com contractos de estagiários preenchendo assim o vazio deixado, minimizando o desemprego.

  2. SEMPRE ATENTO

    CORAGEM Anny Rodrigues, não desanime. Possivelmente tem de inscrever como militante de um Partido. A moda cabo-verdiana é assim. Para conseguir um emprego, as pessoas são “obrigadas” a inscreverem num Partido ou então declarar apoio à uma determinada candidatura às eleições. EMBORA TRATA-SE DE UM HÁBITO PERIGOSO QUE PÕE EM CAUSA A NOSSA DEMOCRACIA.

  3. mae

    Cabo Verde tem um mercado completamente fechado, sem empresas, as poucas que existem são falidas e o ensino superior aimenta a cada dia sem que ninguém queira saber se algum dia poderá encontrar u m emprego, se não na área, que seja numa outra. No entretanto todos querem investir no ensino superior, enquanto que nos outros ramos médios e tenicos ninguém quer saber porque e trabalho baixo. Feliz ou infelizmente e esse trabalho baixo que mais abunda por ai e ninguém quer.
    Entre f morrer a fome ou trabalhar baixo, há-que optar.
    Um engenheiro na América, criou sua própria empresa. Comprou um carro e, nao querendo pagar do seus bolsos e sabem como pagar as mesadas? Foi trabalhar pra Uber como condutor, e Uber paga-lhe as mesadas da viatura, e o mesmo sente-se feliz por isso.
    Trabalho não tira nome, trabalho baixo não e desprezo, so dignifica quem o faz e o pais vai crescendo com a mente de trabalho.
    Na América não existe Natal, não existe Ano Novo para se servir de desculpas ao não trabalho enquanto iss onos so festejamos, com ou sem dinheiro.
    So que cabo-verdiano e trabalhador fora de Cabo Verde, e no pais preferem sofrir que cuidar de um velho e ganhar seu tostão, o cuidar de uma criança e receber pelo tabalho.
    .
    .

  4. E?

    E?
    Kual o problema?

    Interessante seria oia curriculum, sabe desempenho no curso, estágio e TCC.

    A vaidade de mt ciência é sinónimo d poc saber.

  5. BatiBuildConstruções

    Podem nos comunicar um contacto dessa jovem p. favor? Na Bati Build Construções poderemos ter algo que se adeqúe ao seu perfil (2321846 – contactar Alexandre Novais)

  6. Empreendendor

    Dicas para o Governo, para criar emprego!
    Infraestruturar, e atrair Investimento, não só estrangeiro, mas também nacional privado e público.
    Reformas antecipadas, mas também atenção a duplicação de empregos….professores que exercem a sua função em 2, 3, 4 ou 5 estabelecimentos….cortar essa brincadeira.

    Também há que deixar de aliciar os jovens com os programas de empreendedorismo, mas criar condições financeiras, para desbloquear essa situação!

    Tenho dito!

  7. Marcos Oliveira

    tenho uma licenciatura pré-Bolonha em economia e um mestrado em Finanças por uma das mais bem conceituadas universidades portuguesas. tenho experiência na área e já há um ano que ando a mendigar um trabalho nesta terra. estou completamente desanimado porque sei das minhas capacidades e tenho visto muita gente a “ultrapassar-me” na extensa fila do emprego porque eles têm cunha e eu não. Talvez eu vá dar o meu contributo nalgum outro lugar que me possa valorizar!

  8. Soluçao

    K tónt licenciod ne mesma situaçao , ainda ninguem tinha batid ne porta d Batibuild ? Pegah dess oportunidade k tud força. Dia k bo ba p entrevista , uzah un traje formal k t gatxa tatuagem , txa pircing na casa e ke bo uzah kes linguagem “ya man” , “na boa”. Sorte e felicidade

  9. COCULUCHO

    Coitado é esse os 45000 postos de trabalho tanto prometido por Ulisses aos incautos e gente de memória curta/fraca que votasse nele,Já vai um mandato nem 9000 e nem nada para nada como Zero nas fora. Ulisses diariamnete fala na radio/TV que me faz lembrar meu pai no tempo antigo quando aparecia fulano de tal mandava fechar radio/TEVEC de tanto ouvir disco riscado. Esta fulana pelo menos devia exigir salário minimo e com seguro se realmente quer exercer esse tipo de serviço e se também é formada para não saber seus direitos?Muita gentada formada mas a cuca mal funciona!

  10. neves

    “depois de tantas lutas sem sucesso…”,, Ela nao pode desistir de procurar aquilo que deseja!! Eu por exemplo, antes de conseguir um emprego debaixo do ar condicionado, ja trabalhei nas obras, ja fiz calçada nas ruas, ja enchi dampla e camiao de areia, entre outros, nas nunca desisti…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.