Samuel Lopes Campinha: o papa títulos do ténis cabo-verdiano

11/01/2017 07:16 - Modificado em 11/01/2017 07:16

Samuel Lopes Campinha, atleta de 31 anos de idade, sagrou-se, no dia 5 de Janeiro, Campeão Nacional e o seu sexto título de Campeão Nacional de Ténis. Prova esta que foi realizada de 3 a 5 de Janeiro deste ano nos novos Courts de Ténis de Afonso Martinho, em Santo Antão. Título obtido, curiosamente, a escassos metros da sua casa.

Em entrevista ao NN, Samuel Lopes disse que “foi um sentimento de dever cumprido, objectivo atingido, tendo em conta que todas as pessoas estavam à espera que o título ficasse em casa. As pessoas já tinham criado uma grande pressão positiva no sentido de ganhar este Nacional”.

Campinha frisa que já sabia de antemão que este Nacional seria realizado em Santo Antão, pelo que os treinos tiveram de ser quase todos os dias mas, às vezes, por motivos de trabalho, não era possível treinar. Mas afirma que “sempre que era possível, aproveitava para fazer os treinos tanto no campo como fora dele. Houve a necessidade de trabalhar bastante na vertente física, porque o ténis é muito exigente a nível físico”.

O Nacional destaca a motivação de vencer o título devido à perda de 3 jovens atletas (Ady Fortes, Nélio Fortes e Andira Lopes). “A nossa Associação perdeu 3 atletas desde que o último Nacional foi realizado aqui em 2004. Em cada Nacional tento inspirar-me neles para tentar dar o meu máximo para poder vencer e, sem dúvida, isso tem-me dado uma força incrível. Até nalguns momentos dos jogos tento controlar-me porque as lágrimas me caem dos olhos sem me dar conta. Pessoas com quem partilhámos bons momentos, éramos companheiros e bons amigos mas que, infelizmente, partiram cedo demais e isso ainda me custa muito”. Destaca ainda o seu filho como grande parte do sucesso no que faz.

Samuel não tem dúvidas de que este título foi o mais importante na sua carreira. “Para mim, dos títulos conquistados, este foi o mais importante da minha carreira, tendo em conta que o ténis de Santo Antão passou por diversos momentos difíceis como a perda de três atletas muito jovens e esteve muitos anos sem condições de treinos”.  

O hexacampeão assegura que nunca imaginou ser considerado o melhor Tenista de Cabo Verde porque sempre foram os atletas de São Vicente e de Santiago que dominaram o ténis. “Parecia ser uma coisa difícil de alcançar, mas aqui em Santo Antão, começamos a treinar muito para podermos demonstrar a qualidade do nosso ténis. Desde sempre tivemos bons atletas mas faltavam títulos, mas quando conseguimos o primeiro, vimos que era possível contrariar o favoritismo de Santiago e de São Vicente”. Aponta que hoje o ténis de Santo Antão é visto de outra forma e com mais respeito.

O atleta aponta os caminhos para o sucesso. “Não há segredo para tantas vitórias. Simplesmente tem de haver saúde e amor pela modalidade, depois a motivação, dedicação, treino, empenho e, acima de tudo, ter muito respeito e humildade. É preciso evitar comportamentos de risco, como por exemplo, o uso do álcool, do cigarro e de outras coisas que não combinam com o desporto e a saúde”.

Samuel Lopes destaca o sonho que tem ainda por realizar na sua carreira, mas reconhece que será difícil de ser atingido. “Como tenista, o meu sonho era algum dia poder competir fora de Cabo Verde. Mas é muito difícil, tendo em conta os gastos da própria Federação mas, quem sabe um dia”.

Em relação ao trabalho da Federação da Modalidade o atleta realça que “ouvi dizer que já temos uma nova Direcção, um novo Presidente na Federação e a mensagem que deixo é a seguinte: para trabalharem com seriedade e dignidade, para mostrarem a diferença perante a anterior direcção que deixou muito a desejar. Espero que as empresas possam patrocinar mais o ténis e qualquer outra modalidade desportiva, porque quantos mais jovens tivermos a praticar desporto, menos problemas terá a sociedade”.

Para os jovens, Samuel deixa uma mensagem: “Digo para continuarem a treinar com empenho sem se esquecerem dos próprios compromissos escolares, evitarem ao máximo as coisas que não combinam com o ténis como o álcool, as drogas e o tabagismo. Depois, é preciso ser humilde acima de tudo, para se poder aprender com todas as pessoas”.

Campinha atribui grande parte do título ao apoio dos fans: “primeiramente, gostaria de agradecer muito o apoio dado ao longo do campeonato e dizer-lhes que a presença de cada um deles foi muito importante e vamos continuar empenhados para lhes oferecer mais alegrias. Em Santo Antão passou-se muito tempo em que só ouviam dizer que fomos campeões noutras ilhas, poucos presenciaram tais momentos. Então, perante os nossos adeptos, era preciso mostrar a nossa força e comprovar o sucesso alcançado nas outras ilhas e isso foi muito especial”.

Por fim, destaca o treinador António Miranda como sendo parte fulcral do seu sucesso. “Não me esqueço do quanto ele foi importante ao longo desta caminhada. Estou-lhe muito grato por me ter lançado no ténis e me ter acompanhado ao longo de todos estes anos. Ele é mais do que um treinador: é um amigo companheiro e, juntos, a nossa missão vai continuar”.

  1. Campeão Nacional, mas sem presença de S.Vicente que é costumado sair vitorioso em torneios do tipo.

  2. TENIS SÂO VICENTE

    Hexacampeão COMO ??????? ESSE HEXACAMPEÃO QUANDO SE GANHA 6 X SEGUIDAS E NÃO É O CASO. OS DOIS ULTIMOS ANOS FOI GANHO PELO JUARRY E SANDRO DE S.VICENTE !!!

  3. Rogério dos Reis

    Samuel já foi por varias vezes campiao com a presença de S.Vicente. E já ganhou varios torneios com a presença de S.vicente.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.