PR destaca mais recursos para câmaras municipais

3/01/2017 11:51 - Modificado em 3/01/2017 11:51

Na sua mensagem de fim de ano, o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, destacou as recentes medidas do governo no sentido de disponibilizar mais recursos às câmaras municipais do arquipélago, um facto, que no seu entender, fará com que as autarquias possam desempenhar melhor as suas atividades junto das comunidades.

«Com meios de origens diversas, os municípios passarão a ter melhores condições de trabalho. Tudo ao encontro do que sempre defendi: uma boa parte do modo de atuação dos Estados modernos passa pela eficiência do seu poder local, por natureza mais próximo das populações e por uma política da Administração Pública desburocratizada, desconcentrada e descentralizada», referiu.

«O caminho a percorrer é, sem dúvida, muito longo e, por vezes, bastante complexo. Neste quadro, medidas que podem indiciar mudanças de rumo, como as recentemente enunciadas relativamente ao poder local e à inclusão de pessoas com deficiência, devem merecer realce», acrescentou.

Contudo, insistiu na necessidade de se encontrar formas de aprofundar o processo e, sobretudo, de intensificar a discriminação positiva em benefício dos municípios com menor capacidade para gerar recursos.
O Chefe de Estado recordou os bons e maus momentos registados no país ano longo ano de 2016.

Do lado negativo destacou a tragédia de Monte Tchota, a persistência do quadro exclusão social e do desemprego, que segundo adiantou «não conheceram evoluções assinaláveis», bem como os níveis de insegurança que «não se reduziram significativamente».

O ano de 2016, segundo o chefe de Estado, ficou ainda marcado pela «tristeza e vazio» deixados pelo desaparecimento de António Mascarenhas Monteiro, primeiro Presidente da República da democracia cabo-verdiana.

«Apesar dos pesares», salientou, Cabo Verde e os cabo-verdianos «continuaram a brilhar» em diferentes áreas. Neste sentido, destacou a «grande vitória» que consistiu na declaração, pela OMS, de Cabo Verde como país livre da poliomielite, e os importantes resultados a nível da cultura e, particularmente, do desporto.

«Neste importante sector, os cabo-verdianos regozijaram-se com a boa prestação dos nossos atletas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e uma actuação de grande nível nas competições paralímpicas, com a conquista da medalha de bronze por Gracelino Barbosa, na prova dos quatrocentos metros. Não obstante, a grande proeza, que elevou bem alto o nome do nosso país, foi a realizada pelo jovem Marciel (Matchu) Lopes que, na modalidade de kitesurf, alcandorou-se à condição de campeão mundial» precisou.

Jorge Carlos Fonseca terminou a sua mensagem desejando a todos os cabo-verdianos, no país e no exterior, bem como a todos os amigos que em Cabo Verde e no mundo contribuem para o desenvolvimento do arquipélago, as maiores venturas em 2017.

O presidente incentivou as autoridades a continuar, no novo ano, a luta contra a insegurança, os delitos sexuais contra os menores e o uso abusivo de bebidas alcoólicas. Sugeriu também o aumento do interesse e do prazer para a leitura.

Jorge Carlos Fonseca terminou a sua mensagem desejando a todos os cabo-verdianos, no país e no exterior, bem como a todos os amigos que em Cabo Verde e no mundo contribuem para o desenvolvimento do arquipélago, as maiores venturas em 2017.

 

abola.pt

  1. Quintino Cabral

    Mais recursos para as Câmaras Municipais, em contrapartida o governo tem que passar a exigir a “accountability” e limitação no máximo 2 mandatos. As Câmaras Municipais são as instituições públicas em Cabo Verde que mais contribuem para o aparecimento da carência cogonal do povo.

  2. Augusto Galina

    Nas Câmaras não se pode permanecer a vida inteira porque não é profissão. Como para os PR’s devem ficar por dois mandatos.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.