Pais e encarregados de educação reclamam das passadeiras invisíveis junto das escolas

29/12/2016 08:16 - Modificado em 29/12/2016 08:16
| Comentários fechados em Pais e encarregados de educação reclamam das passadeiras invisíveis junto das escolas

A falta de manutenção das passadeiras junto das escolas do Ensino Básico incomoda os pais e encarregados de educação entrevistados pelo NN. A situação, segundo os pais, é preocupante, uma vez que nos horários de ponta há maior tráfego de viaturas e movimentação de alunos a saírem das escolas. Por isso, exigem que as passadeiras sejam pintadas no sentido de prevenir acidentes e perdas de vidas humanas.

Em diferentes escolas do Ensino Básico na cidade da Praia, as passadeiras estão praticamente invisíveis. Segundo os entrevistados, o problema representa um perigo para os alunos e condutores. Preocupados com a situação, pais e encarregados de educação resolveram denunciar o problema e exigir uma solução por parte das autoridades de direito.

Junto da Escola Capelinha em Achadinha, a passadeira encontra-se parcialmente apagada. Para Dúnia Oliveira, a situação deve ser vista com urgência uma vez que se trata de pessoas, sobretudo, crianças que atravessam a estrada.

Carlos Varela assegura que a falta de pintura das passadeiras é um perigo tanto para os condutores como para os peões. “Deixamos os nossos filhos irem para a escola com o credo na boca. São precisas lombas que reduzam a velocidade dos carros, maior fiscalização por parte da polícia, manutenção das passadeiras”.

A passadeira que dá acesso à escola do Ensino Básico Lavadouro como a de várias outras, encontra-se na mesma situação, por isso, urge intervenção no sentido de prevenir acidentes de viação. O caso é particularmente complicado nas horas de ponta.

Os pais queixam-se que os condutores não respeitam os limites de velocidade nem a obrigatoriedade de parar. “Isto é muito perigoso e alguma coisa deveria ser feita”, defende Ivo Ribeiro, pai de um aluno.

Preocupado com o problema também Alino Vieira que afirma que “poucos condutores respeitam as passadeiras e nas horas de maior tráfego todos têm pressa e, devido à falta da pintura, as passadeiras acabam por passar despercebidas”.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.