São Vicente: Grupos de Carnaval consideram insuficiente o valor atribuído pelo MC

23/12/2016 04:28 - Modificado em 23/12/2016 04:28

Os grupos de Carnaval do Mindelo mostram-se agradados com a atribuição do montante por parte do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas para o Carnaval 2017. Apesar dos orçamentos apontarem para valores muito superiores, os responsáveis dos grupos regozijaram pelo reconhecimento e acreditam que o apoio veio em boa hora e deverá contribuir para um Carnaval melhor. Contudo, esperam poder contar com o apoio das empresas no sentido de engrandecer o Carnaval Mindelense.

O Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas fez uma discriminação positiva atribuindo aos grupos de Carnaval de São Vicente e São Nicolau uma fatia maior em relação a outros grupos nacionais, isto por entender priorizar “as duas ilhas onde o Carnaval se tem mostrado como um produto de qualidade para o turismo com o foco de criar postos de trabalho e qualificar o Carnaval”.

Os grupos Associação Copa Cabana, Associação Estrela Azul e Brilho da Zona de São Nicolau deverão receber 800 contos cada. Enquanto que os cinco grupos da ilha de São Vicente, Monte Sossego, Cruzeiros do Norte, Grupo Recreativo Flores do Mindelo e Vindos do Oriente foram contemplados com 1000 contos cada e a Escola de Samba com 800 contos.

Esta discriminação positiva é vista pelos grupos oficiais do Carnaval de São Vicente como um grande apoio o que lhes deixa agradados. Contudo, os orçamentos dos grupos exigem mais esforços financeiros pelo que consideram insuficiente o valor atribuído.

Por isso, apelam por mais apoios por parte das empresas no sentido de também contribuírem para o Carnaval Mindelense e para a cultura do país.

Ana Soares do Flores do Mindelo diz-se satisfeita com o montante atribuído, pois assume que as empresas, muitas empresas, não têm tido uma participação activa, por considerar uma grande vantagem para o Carnaval.

O Presidente do Grupo Monte Sossego acredita ter sido uma boa iniciativa por parte do Governo, embora esperasse muito mais, pois em função do orçamento do grupo à volta de 5 mil e 800 contos, esperava mais.

Lili Freitas do grupo Vindos do Oriente avança que o Carnaval em São Vicente foi desde sempre sustentado pela sua população e, por isso, agradece o Ministério da Cultura em ter reconhecido “aquilo que foi semeado pelos grupos”.

Jailson Juff do Cruzeiros do Norte acredita não ser o suficiente mas que representa um grande passo para o desenvolvimento do Carnaval Mindelense. Já David Leite, Presidente da Escola de Samba agradece e diz que foi com muito agrado que receberam o apoio do MC que reconheceu o trabalho dos grupos.

Recorda-se que devido à discriminação positiva para estas duas ilhas, gerou-se uma grande polémica em torno dos apoios. Isto por parte dos grupos de Carnaval da Praia que acusam o Ministério da Cultura de ser “criador de elites do Carnaval de primeira e de segunda”.

  1. Grupos de Monte Sossego e Cruzeiros do Norte a reclamar o valor atribuido pelo MIC, mas antes não recebiam nada e não havia reclamação, e agora recebem dizem que não é suficiente, o Governo deu um subsidio para os grupos, que antes não tinham e agora reclamam? Então seria melhor era deixar como estava antes, sem subsidio.

  2. Raf

    Os organizadores devem ter consciência do país que temos e limitar reclamações despropositadas. Vejamos, 11 mil contos daria para muitos jardins ou muitos km de estrada para servir para sempre. Devem reclamar que seja investido todo o orçamento de estado no Carnaval em SV para no lixa seguinte jogar os andores no lixo. Deixemos de brincar e compreender que este País não é só festividades, mas sim trabalho e mais trabalho, produção.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.