Zsa Zsa Gabor, a dama do glamour e da extravagância

19/12/2016 09:02 - Modificado em 19/12/2016 09:02
| Comentários fechados em Zsa Zsa Gabor, a dama do glamour e da extravagância

zsa-zsa-gaborZsa Zsa Gabor morreu este domingo, aos 99 anos. As aparições públicas, os casamentos e o comportamento excêntrico que adotou em vida sempre encheram mais páginas de jornais do que as interpretações que fez no cinema.

Diz-se que foi ela a quem primeiro se chamou de “celebridade”. As aparições públicas, os casamentos e o comportamento excêntrico que adotou em vida sempre encheram, no entanto, mais páginas de jornais do que as interpretações que fez naquela que é agora considerada a época de ouro do cinema.

Zsa Zsa Gabor conheceu o sabor da fama no seu país natal em 1936, ano em que foi eleita Miss Hungria. Acabaria pouco tempo depois, em 1941, por emigrar para os Estados Unidos, precisamente em busca de sucesso. Apesar de ter interpretado filmes como “Moulin Rouge”, de John Huston (1952), “O Inimigo Público Número Um”, de Henri Verneuil (1953), “Lili”, de Charles Walters (1953) ou “A Sede do Mal”, de Orson Welles (1958), foram os homens com quem se cruzou na intimidade que, no entanto, a colocaram na boca do mundo. Conrad Hilton, George Sanders, Michael O’Hara e Felipe de Alba foram quatro dos seus oito casamentos falhados, sete dos quais resultaram em divórcio e um anulado. Diria a própria certo dia que “os homens sempre gostaram” de si. “E eu sempre gostei de homens”.

Hilton, fundador do grupo hoteleiro com o mesmo nome, deu-lhe a única filha biológica, Francesca Hilton, que morreu em Los Angeles, em 2015, aos 67 anos. Sanders acabaria por deixar de ser seu marido para se tornar seu cunhado: a irmã Magda e o ator apaixonaram-se e casaram-se.

Zsa Zsa Gabor morreu este domingo aos 99 anos em Los Angeles, vítima de ataque cardíaco. Era desde 1986 casada com o alemão Fredreic Von Anhalt, que afirmou à agência noticiosa AFP que a atriz estava rodeada da família e de amigos. “Toda a gente estava lá. Ela não morreu sozinha”. Von Anhalt cuidou da mulher nos últimos anos, principalmente desde meados de 2010, altura em que esta sofreu uma fratura na anca após uma queda. De dá para cá, enfrentou diversos problemas de saúde e, em 2011, viu uma perna ser-lhe amputada. Estava desde então confinada a uma cadeira de rodas.

Crente no ditado que diz que “mais vale falarem mal do que não falarem”, Gabor nunca se levou muito a sério. Nem quando foi condenada a três dias de prisão e outros 120 de trabalho comunitário por ter agredido um polícia que ordenou que parasse por ter a carta caducada. “Já não se pode conduzir um Rolls-Royce em Beverly Hills…”, disse sobre o incidente ocorrido na Califórnia. Dois anos depois faria uma participação no filme de humor “Aonde É que Para a Polícia 2 1/2”, no qual brinca consigo mesma e com essa situação.

As declarações que fez ao longo da vida foram sempre polémicas – como quando afirmou ser “a dona de casa perfeita porque ficava sempre com as casas depois dos divórcios” ou que acreditava em “famílias grandes” e que por isso “todas as mulheres deviam ter três maridos”. Talvez por isso tivessem sido públicos alguns dos seus casos amorosos extraconjugais, com o que viveu com o afamado “playboy” Porfirio Rubirosa como um dos mais badalados. Mas ainda terá mantido relações com Sean Connery, Richard Burton ou Frank Sinatra, revelou a própria em tempos.

Sári Gabor, o seu nome de batismo, teria ainda tempo para se cruzar com o português Sampaio Garrido, um dos dois lusos reconhecidos como Justos entre as Nações. “Magda Gabor, a irmã mais velha, era secretária do meu avô desde 1939, quando ele chegou a Budapeste. Quando começaram as perseguições [aos judeus, durante a II Guerra Mundial] ele salvou-a, aos pais, à Zsa Zsa e à Eva [irmã mais nova]”, contou em 2015 ao Diário de Notícias o neto, Salvador Alves Garrido. “Inclusive levou as três irmãs com ele para a Suíça. Quando partiu de Budapeste levou uma série de gente com ele. Doze pessoas, acho eu. Salvou uma série de gente importante na Hungria naquela altura. Era diplomata, conheceria algumas pessoas da alta sociedade”, acrescentou.

jn.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.