Sindicato dos Professores pouco confiante em mudanças

8/12/2016 08:12 - Modificado em 8/12/2016 08:12

professorO SINDEP considera grave a decisão do Governo de cessar os contratos a termo com os professores para recrutar novos professores. O sindicado acrescenta ainda que os professores contratados não têm qualificações na área.

O Secretário permanente do Sindicato dos Professores, Jorge Cardoso, em entrevista à RCV reconhece que os contratos eram a termo, mas levanta a questão que as vagas continuaram a existir, e ainda continua, como ao afirma “a assistir a colocação de professores” no Fogo e noutros Conselhos.

“Na presença destas vagas, não entendemos como é que o Ministério da Educação optou por dar como terminados os contratos que estes professores tinham. Em vez de renovar, cessaram estes contratos e recrutaram professores que nem sequer passaram em concurso público e puseram a leccionar professores sem formação específica na área”.

Para além destas preocupações por parte do sindicato, Cardoso fala do incumprimento do Governo no pagamento dos três por cento dos retroactivos de Janeiro de 2015, as progressões de 2012 e 2014, os subsídios pela não redução da carga horária de 2010 e 2011, e ainda os remanescentes 2008 e 2009.

“O estatuto foi publicado a 12 de Dezembro de 2015, mas não se fez a diferença salarial de 12 há trinta e um de Dezembro. Porque, de facto, havia este compromisso de pagar todo o ano de 2015 o que o Governo já recuou e disseram categoricamente que não vão pagar”, afirma Cardoso.

Com esta posição do Governo, o sindicato está à espera da decisão dos professores. O sindicato já manifestou a posição de apoiar os professores seja qual for a forma de luta escolhida. E não vislumbra uma melhoria próxima das condições dos professores. “Fizeram uma calendarização e não estão a cumprir. Não cumpriram em relação a 2016. E se não cumpriram em 2016, aí vai haver o alastramento para 2017 e 2018, e assim por diante.

  1. Os funcionários do estado não é só professores, há mais categorias profissionais na administração publica, se o governo aumentar os 3% para os professores, deve também aumentar toda a administração pública e isso seria uma descriminação positiva para todos os trabalhadores do Estado é o mais justo.

  2. Francisco Andrade

    peco aos pais para juntarem aos professores em prol do Ensino. Porque com o novo sistema de avaliacao os alunos do 7º e 8 º anos passam aser avaliados com 30% ( media dos Testes) + 70% de OEA.
    essa luta éde você pai que como cidadao deve defender um ensino de qualidade

  3. Nelson Cardoso

    Sr. ou Sr.ª Mindlense, é que os outros funcionários do estado já tomaram os seus 3% com retroactivo ao ano de 2013. Informe-se.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.