Centro para ajudar a sair do vicio do álcool: nadar contra a maré do consumo de álcool

21/09/2012 07:10 - Modificado em 21/09/2012 07:10

Nem todos estão de braços cruzados em relação aos problemas resultantes do alcoolismo ou promovendo o consumo do álcool

O Centro de Atenção Psico-Social Álcool e Drogas (CAPS-ad), em Ribeira Bote, São Vicente  tenta  dar respostas a pessoas que procuram ajuda para se livrarem do vicio do álcool ou das outras drogas. Com atendimento psicológico, psiquiátrico e terapia de grupo o centro realiza um trabalho direccionado para todas as idades e classes que desejam o tratamento.

 

Clarete Lopes, responsável do centro, explica que os pacientes são as pessoas que procuram o centro em busca de tratamento. Outros são encaminhados por outras instituições como o hospital, ou “empresas que enviam os seus funcionários“, ou mesmo familiares que procuram ajuda para os  seus  membros.

Existe profissionais prontos a atender os pacientes, como psicólogos, psiquiatras, enfermeiros e assistentes. Mas a responsável sublinha a importância das terapias de grupo como forma de ajudar os pacientes. “Quando o paciente  participa no grupo fica mais preparado para enfrentar o que encontra nas ruas”. A força está na coesão e no espírito de grupo que se cria na perspectiva “que não é só ele que tem este tipo de problema”. Além de terapia de grupo existem grupos de familiares onde os doentes  compartilham experiências , fortalecem e aprendem como ajudar os familiares dependentes.

Clarete explica que neste momento há um grupo de 10 pessoas que constituem um sucesso para o centro. Isto porque desde que começaram o tratamento há dois anos não houve recaída. A recaída é um dos problemas que se tenta combater e os esforços são  para que a abstinência possa continuar, sempre.

 

Para um profissional da área

Para Arlete Lopes o consumo de álcool é preocupante. Pois  enquanto as pessoas continuarem a considerar o consumo normal e natural, “vai ficando cada vez mais preocupante”. E como explica o alcoolismo é uma doença crónica que não tem cura, apensas tratamento. E das três fases do alcoolismo (uso, abuso, dependência), e passar de um abuso para a dependência “é rápido”. E quando  se chega nesta fase “não podem voltar para trás”.

 

  1. Gilson Lopes

    Queria parabenizar o grupo pelo excelente trabalho realizado…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.