Crime de abuso sexual cometido por mulheres: não existem denúncias, mas…

23/11/2016 08:02 - Modificado em 23/11/2016 08:02
| Comentários fechados em Crime de abuso sexual cometido por mulheres: não existem denúncias, mas…

abuso-sexualA Rede de Prevenção de Abuso Sexual de Menores de Santo Antão (P.A.S.M.) está activa desde Janeiro de 2016, após uma formação ministrada pelo ECPAT Brasil/Luxemburgo, na Cidade da Ribeira Grande, cujo objectivo é trabalhar na prevenção do abuso sexual a menores. Numa conjuntura em que o país se depara com dois casos de abuso sexual denunciados e que estão a ser investigados, a rede foca as suas actividades na orientação de como proceder quando há conhecimento do crime.

 

Esta rede está associada a vários técnicos das diferentes instituições da ilha (Ministério da Justiça e Educação, Câmaras Municipais, Cruz Vermelha, Polícia, ICCA, Igreja, MS) e um dos objectivos é trabalhar na sensibilização e desmistificar o crime de abuso sexual para que haja melhor protecção. Assim sendo, a rede visa proteger não as vítimas e as suas famílias que são as mais desprotegidas, mas também o abusador e os seus familiares, assegura Soeli Santos, Psicóloga e Técnica de Reinserção Social. Esta esclarece que “a rede não tem como objectivo receber denúncias, visto que temos o ICCA, a Procuradoria e a Polícia. Muitas vezes, nas nossas actividades surgem questões relativamente a denúncias e orientamos as pessoas como devem proceder quando têm conhecimento do crime. Realçamos que o ICCA faz parte da Rede e, nas nossas actividades, divulgamos sempre o Disco Denúncia do ICCA para casos de Abuso Sexual: 800 10 20”.

Questionada se a Rede tem conhecimento da prática de abuso sexual por parte de mulheres, a Técnica de Reinserção Social adianta que “em Cabo Verde ainda não tem havido denúncias quando o abusador é uma mulher, mas isso deve-se, muitas vezes, à nossa cultura e à falta de informação que constitui crime também para mulheres”. Neste sentido, acrescenta que é um ponto que a Rede tem sempre em atenção nas actividades desenvolvidas.

A mesma esclarece a importância de trabalhar na prevenção, uma vez que o abuso sexual poderá ter um grande impacte psicológico na vítima e também nos familiares: “realçamos que o impacte do abuso sexual poderá ser devastador independentemente se é intrafamiliar ou extrafamiliar. Poderão diferenciar-se, uma vez que quando é extrafamiliar a família poderá estar mais unida para proteger a criança quanto ao mal que vem de fora enquanto que a intrafamiliar poderá dividir a família o que levará a um maior sofrimento da criança”, esclarece Soeli Santos. A mesma acrescenta também que “existe uma grande diferença quando o acto é cometido por uma pessoa de confiança, principalmente quando é um membro da família. Isto porque a criança vai viver muitas vezes numa ambivalência de sentimentos quanto ao abusador, aquele que a deveria proteger é aquele que a magoa. Sendo assim, poderá despoletar sentimentos de culpa, acreditando muitas vezes que é responsável pelo comportamento do abusador. O impacte psicológico é enorme, principalmente quando se tem de decidir se contar ou não, se a família vai acreditar, se não será responsável pela prisão do abusador, se irá destruir a família se revelar “o segredo” que muitas vezes é pedido pelo abusador com ameaças ou presentes. Porque a perda de confiança que existe nos casos de abuso intrafamiliar não é apenas a da criança e o abusador, mas também entre os membros da família. A instabilidade que isso acarreta afecta não apenas emocionalmente a família, mas principalmente a sua estrutura”. Por isso, é de extrema importância trabalhar na prevenção do abuso sexual de menores de modo a abranger todo o país.

A Rede de Prevenção de Abuso Sexual de Menores de Santo Antão tem um plano de acção que está a ser colocado em prática nos três Concelhos de ilha e Soeli Santos adianta que “no mês de Maio foi lançada a nossa primeira campanha intitulada “Campanha Borboleta – Basta um Gesto!” e finalizámos com um Workshop intitulado “Causas, Consequências, Direito e Antropologia” onde contámos com parceiros como as Câmaras Municipais da ilha e as Nações Unidas.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.