Mindelenses reagem: Não há justificação para o aumento das tarifas dos transportes marítimos

9/11/2016 08:24 - Modificado em 9/11/2016 08:24

barcosOs cabo-verdianos dizem-se seriamente preocupados com a recente proposta de alteração das tarifas dos transportes marítimos inter-ilhas, isto após a subida dos preços da água e da electricidade no mês passado.

 

Relativamente ao aumento do preço dos transportes marítimos colocados em consulta pública pela Agência Marítima e Portuária (AMP) que prevê aumentos, nalguns casos, superiores a 50%, os mindelenses questionados sobre esta nova tarifa, interrogam-se como é que isso irá afectar as pessoas, principalmente, os empresários que utilizam regularmente os transportes inter-ilhas para levarem os seus produtos.

Com a subida dos preços da água e da electricidade, hoje os cabo-verdianos estão a pagar muito mais do que pagavam há uns tempos enquanto que não se fala do aumento dos salários para acompanhar esta crescente onda de aumentos, dizem.

Para Jorge Gomes, este aumento não se justifica, principalmente nos preços entre Mindelo – Porto Novo, que é o mais caro. “A distância de 9 milhas não justifica que um passageiro deva pagar 830$00. Se não, quanto pagaria um passageiro no troço Mindelo – Praia com cerca de 167 milhas?”, questiona.

Sílvia avança ainda que com o aumento do preço dos transportes marítimos, os produtos que são produzidos nas ilhas periféricas terão mais dificuldades de entrar nas outras ilhas. “Com a subida dos preços da água e da electricidade já no mês de Dezembro, as famílias cabo-verdianas terão mais despesas com estes bens de primeira necessidade, mas o salário continuam iguais e daqui a alguns meses viajar ou transportar cargas vai ficar mais caro também”.

“Não há justificação para o aumento das tarifas dos transportes marítimos. Os preços das passagens já estão demasiado altos tendo em conta o preço actual dos combustíveis. Por outro lado, o preço podia descer ainda mais considerando o custo de aquisição a partir do mercado internacional”.

Ou então, conforme afirmação sustentada por Eder, se Estado/Governo são “pessoas de bem”, podem efectivamente baixar o IVA aplicado para reduzir o preço dos produtos petrolíferos e maximizar o poder de compra.

Muitos defendem, no entanto, que o Governo deva criar medidas para garantir a sustentabilidade das empresas marítimas e, para isso, deve definir que mecanismos pretende utilizar para subsidiar a prestação do serviço público obrigatório nas linhas deficientes, viabilizando os investimentos necessários para assegurar o seu funcionamento.

De realçar ainda que a partir de Janeiro de 2017, a ARE vai reduzir de metade o período de actualização dos preços e tarifas. A actualização das tarifas da electricidade e da água passará a ser de dois em dois meses enquanto que a actualização dos preços dos combustíveis passará a ser mensal.

O mesmo para os parâmetros que normalmente vigoram de cinco em cinco anos, sofrerão actualizações, prevendo uma baixa sensível nos preços de base dos combustíveis com reflexos também favoráveis nas tarifas da electricidade e da água.

A Agência de Regulação Económica (ARE) aponta para a revisão para baixo dos preços dos combustíveis e das tarifas da electricidade e da água em Dezembro, altura da próxima revisão destes serviços.

  1. como é que é posivel uma coisa dessa ,a economia que temos, a pobreza estrema que vivemos, termos um aumento a atingir os 50% emquanto que o salario dos poucos que o teem nao aumenta…
    entao pergunto
    se tenho um afazer numa ilha vesinha de estrema importancia , antes eu conseguia realiza-lo
    hoje com um aumento de 50% como fara para autropasar este desafio?
    nao ha trabalho os bens e cerviços aumentom de preço de uma forma exarerada e(….)
    as pessoas que vivem deste tipo de bens e serviços que fazer deles o seus ganha pao
    que farao?
    passarao mais dificuldades????
    chega jente ,somos pobres nao podemos pagar como ricos
    pagarei para fazer 45 minutos de sao vicente ha santo antao, oquanto eu pago em 4 horas de viseu ,ha lisboa(portugal)
    onde o salario é 3vezes mais pago muito menos para fazer uma trajetoria muito maior

  2. Com 167 milhas de Mindelo para Praia ou vice-versa o passageiro paga cerca de 4 mil escudos, isso quer dizer que a viagem de S.Vicente para S.Antão ou vice-versa com 9 milhas de distância custando 830$00, fazendo às contas o preço está alto demais tendo em conta a distância e combustiveis gastos.

  3. criola

    E MELHORGENTE DE GOVERNO TA GANHA EXAGER E DOS PORTOS MESTE CURTAIS SALARIO SE GOVERNO CA TA PODE PAGAIS…. VERGONHA GENTE TA GANHA SALARIO EXAGERO E CUITADOS TA SOFRE

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.