Antany perde a condição de militar e condenado a 35 anos de prisão

3/11/2016 16:46 - Modificado em 3/11/2016 16:46

antany silva2O Tribunal Militar condenou a 35 anos de prisão o soldado Manuel António Silva Ribeiro, de 23 anos, acusado da morte de 11 pessoas, no destacamento de Monte Tchota, isto após seis meses de ter cometido os crimes que abalaram a sociedade cabo-verdiana. O ex-soldado perde a condição militar e por isso deverá ser transferido para a Cadeia de São Martinho onde vai cumprir a pena.

Após a realização do julgamento que teve lugar no passado dia 27 de Outubro e do Ministério ter dado os factos como provados pedindo pena máxima para o único arguido no processo do caso Monte Tchota.

Apesar do pedido de atenuação da pena “valorizando a vida conturbada, turbulenta” que viveu durante a infância, solicitado pelo tenente Júlio Monteiro que assegurou defesa do arguido o Tribunal Militar decretou precisão efectiva a Manuel António Ribeiro que deverá cumprir a pena 35 anos de prisão.

Volvidos seis meses, os cabo-verdianos conheceram a sentença aplicada ao soldado que assassinou onze pessoas, sendo oito militares e três civis no passado dia 25 de Abril no destacamento Monte Tchota.

Durante o julgamento o Ministério Publico considerou os factos provados defendendo que o arguido agiu em pleno gozo das suas faculdades premeditando os crimes e que teve tempo para desistir, mas não o fez ceifando a vida de onze pessoas.

Seis testemunhas estiveram arroladas no processo entre as quais o taxista que acabou por confirmar detalhadamente o que teria acontecido, após o arguido ter entrado de surpresa dentro do táxi e de o ter obrigado a conduzir pelas artérias da cidade da Praia.

A acusação considerou que o Antany estava em pleno poder das suas faculdades mentais e premeditou os crimes, tendo inclusive dito ao comandante do posto militar, onde era soldado, que se “lhe entregassem uma arma  mataria a todos”.

Na parte exterior da Terceira Região Militar, familiares e amigos, inconformados choraram a morte dos seus entes queridos que perderam a vida nas mãos do soldado agora condenado.

  1. Francisco Andrade

    O povo deve ir a rua e exigir um referendo para a aplicação da pena de morte.
    Até quando iremos conviver com crimes hediondos como os do Ze Catana e desse Antany?

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.