AMP esclarece que eventuais alterações tarifárias far-se-ão nos limites da razoabilidade

2/11/2016 08:24 - Modificado em 2/11/2016 08:31

agencia-maritima-e-portuaria-de-cabo-verdeA Agência Marítima e Portuária de Cabo Verde coloca em consulta pública a proposta de regulamentação tarifária para o transporte marítimo Inter-Ilhas de passageiros e de mercadorias, com o objectivo de esclarecer a população.

 

Após o anúncio sobre as mexidas nos preços das viagens de barco, a AMP pretende esclarecer o público em geral e, em especial, os utentes e os prestadores de serviços sobre a proposta de regulamentação tarifária para o transporte marítimo inter-ilhas de passageiros e de mercadorias, posta em consulta pública, lê-se no comunicado.

“As propostas colocadas em consulta pública constituem um procedimento normal numa economia com mercados regulados, sobretudo os de prestação e consumo de bens universais e serviços públicos. Com o resultado da consulta pública, a AMP espera obter contribuições válidas para o estabelecimento de um tarifário que reflicta a verdade sobre os preços, a eficiência, a justiça e a justeza, sem pôr em stress as actividades que dependem a montante e a jusante do sistema de transportes marítimos inter-ilhas”, assegura a AMP que pretende também esclarecer a população sobre este procedimento.

Todavia, a instituição avança que todos os contributos são válidos e garante que após o prazo da consulta pública, a AMP analisará as contribuições e fará os ajustamentos necessários aos regulamentos tarifários, tendo em conta o contexto económico e social do país, os interesses máximos dos consumidores e o equilíbrio económico e financeiro dos prestadores de serviços, em sintonia com a política sectorial constante do Programa do Governo.

“Neste contexto, o Conselho de Administração da Agência Marítima e Portuária reitera a firme vontade em pautar a sua acção pelos princípios que regulam o mercado, em estrita observância aos procedimentos legais e regulamentares aplicáveis em sintonia com a política do Governo para o sector, pelo que eventuais decisões de alteração tarifária far-se-ão nos limites da razoabilidade”, frisa a AMP que convida todos a contribuírem e a acederem à consulta pública sobre a regulamentação dos tarifários marítimos.

  1. Se não há aumentos de vencimento, portanto não há aumentos para tarifário maritimo, logo numa altura por decisão unilaterál da ARE sem concertação com o governo aumenta bruscamente as despesas da electricidade e água. Não vamos aceitar mais aumentos também, tendo em conta que os transportes marítimos em Cabo Verde não reune e nem cria condições aos utentes, em termos de qualidade dos serviços prestados deixa muito a desejar.

  2. profamina

    Desde a sua criação, a AMP procurou mexer nos preços dos transportes marítimos, mas esteve sempre condicionada à “fidelidade” aos camaradas que estavam no governo. Agora, como a situação é outra, trás à tona esse fantasma de aumento dos custos, arrepiando cabelos a todos(até aos carecas). É preciso coerência, e espera-se que o governo mantenha a firmeza quanto ao assunto, sem deixar-se levar por esses fiéis escudeiros da estrela negra que (infelizmente) continuam à frente da AMP. Antonio Lopes militante do Paicv encartado, Carlos Graça ex DG de segurança, Alselmo, fiel ao PAI e que diz “sim senhor, amém” a tudo o ue venha daquele lado. Muita atenção senhores governantes.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.