Aumentos na electricidade e água: Onde fica a razoabilidade

17/10/2016 08:20 - Modificado em 17/10/2016 08:20
| Comentários fechados em Aumentos na electricidade e água: Onde fica a razoabilidade

sem_agua_e_sem_luzPost

Retomamos o post de Carlos Bartolomeu sobre o aumento do preço da energia e da água. Não entendemos essa ideia peregrina que temos de empobrecer com impostos, taxas, congelamento de salários, para ficarmos ricos. Não entendemos como um Governo que esperamos que seja liberal nas antípodas do Governo do PAICV, interfere na regulação. Pois como diz o economista Betu num post na sua página do FB: «Onde fica a razoabilidade de uma regulação, quando, de uma assentada, se aumenta o preço de um bem básico em 25%?! E quando, no período em causa, não se tem notícia de agravamento do preço internacional dos combustíveis nessa ordem de grandeza». Dito isto, vamos ao post que deu origem aos comentários:

 

ES

 

AUMENTOS NA ELECTRICIDADE E ÁGUA

No âmbito das atribuições de cidadão e dirigente sindical, sem conseguir perceber as razões dos aumentos verificados na electricidade e água.

Sendo que, e não sendo possível um encontro com as estruturas da ARE, queremos manifestar a nossa total discordância em relação a esta medida,

  1. Porque, com a perda do poder de compra dos trabalhadores cabo-verdianos ao longo destes anos com a não actualização dos salários há vários anos; e mais, segundo o Governo, para 2017, não haverá actualização dos mesmos.
    2. Há bem pouco tempo foi noticiada a baixa nas tarifas da Electra. Posso garantir que até esta data, nunca me apercebi de nenhuma baixa, porquanto, pagamos sempre o mesmo valor, em certas situações com ligeiro aumento.
    3. Os cabo-verdianos estão a pagar com esses aumentos, o descontrolo existente dentro da Electra, com muitos chefes e directores, custos descontrolados, nomeadamente, com os transportes, ajudas de custos, etc.
    4. Precisa-se de uma estratégia mais prática para a Electra que possa minimizar nos custos em termos de funcionamento, porque, esse desfuncionamento com altos prejuízos para a empresa, não deve ser imputado ao coitado do trabalhador, que a cada dia que passa, está ficando mais pobre, pagando o desmando de certas gestões incompetentes.

Os trabalhadores/ consumidores cabo-verdianos, não deveriam ficar parados, com o apoio de organizações como a Adeco Defesa Do Consumidor, as centrais sindicais com o apoio dos sindicatos, o MAC – 114, organizações da sociedade civil, organizar uma manifestação nacional, solicitando o recuo da medida em causa. Queremos pagar sim, mas não dessa forma; haja ponderação, porque, o país não está bem… a união de todos precisa-se.
Um cidadão preocupado!
Carlos LG Bartolomeu

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.