Homicídios duplicam no 1º semestre: 15 na Praia e 14 em São Domingos

13/10/2016 08:22 - Modificado em 13/10/2016 08:22

ambulanciaAs onze pessoas mortas no destacamento militar de Monte Tchota contribuíram para que o número de crimes de homicídios tenha duplicado no 1º semestre de 2016 em comparação com mesmo período de 2015.

 

Segundo dados oficiais da Polícia Nacional, no primeiro semestre de 2016 foram registados em Cabo Verde 36 homicídios comparativamente com os 18 registados no período homólogo de 2015.

Na área sob a jurisdição do Comando Regional da Praia foram registados 29 homicídios. Quinze na capital e catorze em São Domingos, sendo onze referentes ao assassínio dos oito militares e três civis na base militar de Monte Tchota no mês de Abril. Na lista negra seguem Santa Catarina com três, São Vicente também com três e Santo Antão com um.

Estes dados foram avançados na cidade da Praia, pelo director da Polícia Nacional, Emanuel Estaline, numa reunião com os deputados da Comissão Especializada de Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos, Segurança e Reforma do Estado no âmbito da preparação do debate sobre o estado da Justiça, agendado para o final do mês.

O responsável da PN considerou “preocupante” o aumento de homicídios no país, sobretudo por estar instalado na população “um sentimento de insegurança

 

A divulgação do relatório anual do Ministério Público sobre o estado da Justiça em Cabo Verde veio alertar a população para o aumento da criminalidade no país e levou o governo a anunciar uma série de medidas.

O relatório, que engloba o período entre 01 de Agosto de 2015 e 31 de Julho de 2016, adianta que foram registados 120 homicídios no país.

No mesmo período, a criminalidade no país aumentou 6,7% relativamente ao ano anterior, ainda segundo o relatório que será discutido no parlamento durante o debate sobre o estado da justiça.

Também regista 504 crimes sexuais e mais de 13 mil crimes contra o património, sobretudo na cidade da Praia.

Na sequência da divulgação dos dados, o governo anunciou um “reforço extraordinário” de meios para as polícias nacionais e serviços prisionais em cerca de quatro milhões de euros.

A verba será usada na aquisição de equipamentos de segurança e protecção pessoal e meios de mobilidade para as polícias cabo-verdianas.

O Governo vai ainda implementar o 112 como número único nacional para a comunicação de emergências e o projeto “Cidade Segura”, que contempla a comunicação operacional (rádio), videovigilância urbana e instalação de um centro de comando e controlo para a gestão do patrulhamento urbano.

O Executivo quer também mais coordenação e integração das forças e serviços de segurança, reforçar a iluminação pública e tomar medidas para o reforço da motivação dos profissionais da segurança.

  1. João de Deus Soares

    Isto é simplesmte a faceta do que passou a ser um desporto nacional.
    Lembrem-se do que disse o desastrado do J.M. Neves a este sujeito?

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.