Distribuição de pelouros na CMSV: contas fáceis de se fazer

10/10/2016 08:06 - Modificado em 10/10/2016 08:06

cmsvNa história das eleições autárquicas em São Vicente, o MpD conseguiu, pela primeira vez, eleger todos os novos vereadores que já foram empossados. O Presidente da CMSV é o responsável da distribuição dos pelouros aos vereadores, o que aparenta ser fácil, sendo do mesmo partido mas, na prática, vai ter de haver alguns ajustes.

 

No último mandato, os vereadores do PAICV ficaram sem pelouro devido a desentendimentos com o Presidente na distribuição dos mesmos. E, por este motivo, alguns dos pelouros destes vereadores acabaram por ser incorporados por outros vereadores. Nesta legislatura, o MpD já não necessita de negociar pelouros com outros partidos no sentido de viabilizar a CMSV.

A composição da edilidade de São Vicente permanecerá na sua essência a mesma. Isto é, da última equipa camarária, ficam Augusto Neves, Lídia Lima, Rodrigo Martins e Anildo de Jesus. Não deve haver muita mudança nos pelouros que ocupam. Os quatro trabalham em regime de tempo inteiro e com responsabilidade sobre as pastas mais importantes do Município, Educação, Desenvolvimento Económico e Financeiro, Cultura, Desporto, Solidariedade e Relações Institucionais.

Com a média de quatro áreas por pelouro para cada um dos vereadores acima mencionados, a opção será apostar na continuidade do trabalho e no conhecimento das pastas e das funções desempenhadas pelos vereadores. Com alguns ajustes, consoante forem as necessidades do Município e da visão do Presidente.

Resta saber se todos os vereadores terão pelouros. O que, num ambiente em que há oposição concreta com capacidade de mudar decisões, seria normal deixar na prateleira os vereadores de partidos diferentes. No caso em questão, todos os nove vereadores eleitos são do mesmo partido, o que pode levar a crer que todos terão pastas. Um cenário considerado possível, mas resta saber em termos de relevância das pastas e o regime dos vereadores se a meio tempo ou tempo inteiro.

Os pelouros deixados pelos vereadores da UCID foram Educação, Infância e Juventude, Cidadania e Género, que pertenciam a Nilton Fortes. Ambiente, Saneamento e Energias, Saúde Pública e Defesa do Consumidor a Anildo Fortes. Empreendedorismo, Turismo, Património Histórico, Toponímia pertenciam ao PAICV. Com a relevância que tem sido dada ao sector do turismo, pelouro que foi dado ao PAICV, este pode vir a ganhar uma nova importância na distribuição.

Com um cenário em que apenas um partido tem todos os vereadores, nove, resta saber se todos terão pastas e gabinete para trabalhar, ou se Augusto Neves vai deixar alguém no banco, pelos motivos que se vierem a indicar se o cenário se confirmar.

  1. AC

    O Senhor Augusto Neves deve repensar a sua gestão na Câmara de S.Vicente. Repare, um desconhecido chega na Câmara para solicitar compra de um terreno para construção da sua casa. A resposta é o seguinte: Temos terreno em “Kilómetro 6” e Madeiral. Logo a pessoa desiste e no dia seguinte recebe proposta por telefone que há terreno nas zonas X e Y por Mil ou mais contos.
    CONCLUSÃO: Os terrenos nas zonas importantes são vendidos aos compadres, amigos dos funcionários da Câmara Municipal para exploração em mercado negro.

  2. JOVEM DE S.VICENTE

    Senhor Augusto Neves, para uma gestão transparente, apelo para que faça mobilidade dos funcionários do gabinete técnico, dos fiscais e demais servidores que estimulam a corrupção e o “mercado negro” na venda dos terrenos municipais.

  3. Nita Fortes

    Entregar o pelouro do Patrimonio ao PAIGC foi um suicidio. Razão pela qual S.Vicente vai abaixo por cumprimento da sentença do partido.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.