No dia em que Biuca foi salva

28/09/2016 08:01 - Modificado em 28/09/2016 08:01
| Comentários fechados em No dia em que Biuca foi salva

violencia_sexual1Fonte Inês ainda em estado de choque, assistiu ao funeral de Maria Rosa da Luz, mais conhecida por “Biuca”, assassinada no último fim-de-semana pelo ex-namorado. Não foi a primeira vez que Biuca tinha sido esfaqueada pelo ex-namorado. Em 2014, Biuca já tinha sido apunhalada nas costas. Nessa altura, ela foi salva por dois irmãos que nos contam a história do sucedido, mas sem quererem revelar a identidade pelas proporções que o caso tomou. Na zona, comenta-se a relação conturbada de Biuca e Dicha, o ex-namorado.

 

“Eu e o meu irmão regressávamos do trabalho à noite e vimos um grupo de pessoas à nossa frente e, de entre elas, estava Biuca. Notámos uma pessoa a aproximar-se do grupo de forma suspeita e ficámos atentos”, conta um dos irmãos. O mesmo acrescenta que o cenário era suspeito, mas continuaram a andar devagar.

Quando o grupo viu que Dicha se aproximava de longe, começou a dispersar-se. Biuca começou a andar sozinho e o indivíduo começou a aproximar-se de Biuca e foi quando desferiu as facadas nas costas. “Quando vimos o que estava a acontecer, aproximámo-nos rapidamente e arremessámos uma pedra para assustar e uma das pedras acertou em Dicha, pelo que o conseguimos assustar. Depois, ele correu e não conseguimos alcançá-lo”. Foi nesse momento que as pessoas prestaram assistência.

Um dos irmãos diz que se as pessoas tivessem ficado perto dela talvez ela não tivesse sido agredida e lamenta que tenha acontecido outra vez, mas com um desfecho diferente neste momento.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.