Ministra Maritza Rosabal prevê o arranque do ano lectivo sem contratempos

7/09/2016 08:05 - Modificado em 7/09/2016 08:05

escola jovino santosA Ministra da Educação, Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal, assegura que está tudo preparado para o arranque do ano lectivo 2016/2017, no dia 19 de Setembro e que já estão a trabalhar para que não haja nenhum contratempo.

 

A Ministra da Educação estreia-se na abertura do ano lectivo 2016/17 em Cabo Verde, após a vitória nas legislativas de Março e garante que a preparação do ano escolar está a decorrer sem constrangimentos, sendo que as equipas estão prontas e já se encontram no terreno a trabalhar para que o arranque do ano lectivo decorra de forma normal, diz Maritza Rosabal em entrevista à Inforpress.

Porém, as papelarias de São Vicente, nomeadamente a Terra Nova e a HGI, as mais populares para a compra de manuais escolares, ainda não os receberam. Um dos responsáveis contactados pelo NN assegura que deverão chegar hoje, mas alguns encarregados de educação já estão apreensivos e com receio que se repita a falta de livros escolares como aconteceu no ano anterior. A Ministra adianta que foram feitas pequenas revisões uma vez que o tempo não permite fazer grandes modificações, mas reconheceu que é preciso mais tempo para analisar os conteúdos relacionados com a qualidade dos manuais e os programas escolares.

A Ministra da Educação, na preparação do ano lectivo, verificou que algumas escolas precisam de “pequenas” obras e estas serão feitas antes do início das aulas. Contudo, assegura que para o próximo ano será implementado o projecto de reabilitação de toda a rede de escolas básicas, um projecto mais abrangente e amplo. Acrescenta que em 2017/2018 será implementado o projecto de oito anos de escolaridade básica e também que irá ser feito o censo nacional dos docentes para avaliar, fazer a localização e recolher todos os dados complementares dos recursos humanos que permitirá ajudar a racionalizar a própria gestão dos recursos e até planificar acções de formação contínua de forma diferente.

  1. Francisco Andrade

    A minha preocupação é se o estado vai subsidiar as Escolas Secundárias com um montante visto que boa parte das propinas dos alunos do 7º Ano é utilizado para pagar funcionários e auxiliares de limpeza e de serviços gerias ( contínuos).

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.