Monteiro fecha a porta de entendimentos com o MpD e o PAICV no futuro

2/09/2016 08:40 - Modificado em 2/09/2016 08:40

ucidA UCID dando continuidade às suas actividades de campanha, esteve em contacto com a população do Calhau. O contacto directo com as pessoas tem sido o método de eleição do partido durante esta campanha. A campanha entra na sua rectal final com o comício de encerramento marcado para esta sexta-feira e o candidato António Monteiro faz um balanço positivo da campanha eleitoral realizada pelo partido.

 

“O balanço é bastante positivo porque fomos bem recebidos pelas pessoas contactadas que tiveram um respeito enorme pelo trabalho que estávamos a fazer e a nível dos comícios o comportamento cívico das pessoas foi extremamente interessante”. Se o candidato elogia o comportamento das pessoas e a sua receptividade, o mesmo não diz dos seus adversários

“Ao contrário daquilo que foi o comportamento das populações, tivemos os candidatos com discursos rasantes, discursos demonstrando uma falta de respeito não somente pela minha pessoa como candidato, mas também pela população de São Vicente e do eleitorado”, afirmou Monteiro. Para este candidato, a atitude dos adversários foi fruto do desespero que vieram demonstrando. “Nós estamos tranquilos porque consideramos que tivemos uma campanha à altura do São Vicente”.

Relação com os outros partidos agora… e no futuro

As críticas dos adversários colocam no ar o futuro das relações com outros partidos na ilha e, para Monteiro, não existe, depois do que foi dito pelos adversários, possibilidade de conversações no futuro.

“A nível regional, do meu ponto de vista, não resta e não restou nenhuma possibilidade de qualquer conversação no futuro, porque entendo que na política não vale tudo. E ainda mais quando as pessoas que utilizam este tipo de expressão estiveram abraçadas connosco em defesa de uma causa e, em determinados momentos, estivemos unidos na defesa daquilo que considerávamos que não estava a ser bem feito a nível da ilha”.

Para Monteiro, com o tipo de ataque que sofreu, os que os fizeram “não são pessoas no sentido literal”. Isto porque “preferem matar o colega para poderem atingir os objectivos”. E acrescenta que conhece este tipo de pessoas e procura estar bem longes delas.

Medidas da UCID

“Apresentamos medidas concretas e não medidas que caíram de pára-quedas para fazer politiquice”. Como o candidato vem anunciando, as medidas que tem proposto à população são originadas de parcerias com instituições e empresários. Projectos como a utilização do lixo para a produção de energia, reutilizar o plástico para a transformação em fio de nylon e azulejos. Projectos que têm como intenção a geração de emprego. Outras medidas como o microcrédito com baixas taxas de juros, enfermeiros de família, são questões, como avança Monteiro, que foram previamente discutidas e acertadas.

“Ouvimos adversários dizer que não era possível, mas entendo a preocupação deles, porque quando não entendem a matéria e não se tem a informação necessária, ficam dúvidas na cabeça das pessoas. Por isso, são problema deles e não da UCID. Considero que as pessoas entenderam as medidas apresentadas e apresentámos mais de dez medidas e cremos que estas medidas podem dar a São Vicente uma subida a nível social e económico”.

Clima no seio do partido

A menos de vinte e quatro horas para o dia de reflexão, Monteiro afirma que o clima é de tranquilidade. “Já fizemos várias campanhas e nós estamos tranquilos, e esperamos que no domingo, a população vá às urnas, e vá às urnas em massa, porque o que está em jogo é o destino desta ilha, uma ilha com potencial enorme e que pode mais e que pode ter mais, e pode voltar a reacender o seu farol a nível de Cabo Verde”.

Campanha da UCID

A UCID fez uma campanha particular. Diminuiu os comícios e não colocou cartazes pois, segundo Monteiro, foi uma preocupação com a poluição sonora e não quiseram sujar as paredes das pessoas e os postes onde são colocados os cartazes.

A redução dos comícios para a UCID constitui um ponto a realçar. O partido reduziu de dezasseis para dez os comícios, porque é “no poupar que está o ganho”. Com a redução dos comícios, o reforço foi nos contactos porta a porta que, no seu ponto de vista, “são a melhor forma de fazer política em Cabo Verde”.

Como adianta Monteiro ao NN, o partido irá propor na Assembleia Nacional a redução do subsídio dos votos para que os partidos se possam adaptar às novas formas de fazer política.

“Os partidos estão a gastar muito porque estão convencidos que o dinheiro é recuperado através das subvenções do Estado. Se reduzimos o valor das subvenções e direccionarmos este montante para outras questões sociais e para a educação, provavelmente os partidos estarão aptos a usar mais criatividade e iremos poupar mais. Iremos poupar o nosso ambiente, os cofres do Estado e os bolsos dos contribuintes que pagam através dos impostos.

  1. Ex-UCID

    Monteiro, porque so agora? Porquê bo alia sempre ma MpD? Se bo vota sempre a favor de ses ideias e propostas e porque bo tava de acordo. O que bo faze pa trava, enquanto vereador, ess situação lastimavel de soncente que bo ti te reconhece ness campanha? Povo de soncente ja ka ta dod. Se bo continua ness vai vem, hora pa legislativa, ora pa autarquicas bo ta mal pa embates futuros. Já gora. Konde bo te candidata pa Presidencia de Republica?

  2. michael

    É verdade! Todas as condições para continuar com distituições de caboverdianos como se de estrangeiros fossem alguns. Paritdo único do MPD. Os caboverdianos devem ter cuidado com esse desejo de UCS. Também existem muitos camaleões e viracasacas que estão a ajudar o MPD a enfernizar a vida de caboverdianos que sempre trabalharam por este país. O conselho está dado. Promessas falsas já verificadas nestes seis meses de governação hipócrita. Votei mal nas legislativas mas não vou falhar nestas autárquicas.

  3. ELEITOR

    Os cabo-verdianos já perceberam que não é benéfico colocar os ovos no mesmo cesto. Mas também já perceberam que maioria absoluta não é benéfica para todos nós que estamos a espera das decisões dos políticos. É necessário equilíbrio tanto na Assembleia Nacional como também nas Assembleias Municipais com vista a defesa das populações. TODOS OS GOVERNOS COM MAIORIA ABSOLUTA, APROVAM QUASE TUDO COM CONSENTIMENTO OU NÃO DAS FORÇAS DA OPOSIÇÃO. VAMOS VOTAR UCID.

  4. Maria Oliveira

    Vejo aqui ô paicvistas cm dor de cotovelo ! Monteiro se nâo ganhares fica sempre aliado a propostas que venham ajudar a tua ilha ! Viva S.Vicente

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.