Soncente E Quel Code D’Honra Na Guerra De Valente De Tempe De Caniquinha – ( Ones 1930/1950 )

14/04/2012 01:41 - Modificado em 14/04/2012 01:41
| Comentários fechados em Soncente E Quel Code D’Honra Na Guerra De Valente De Tempe De Caniquinha – ( Ones 1930/1950 )

Dês de tempe de Caniquinha tê quonde ‘m cumeçá t’intendê nha nome, quonde “Guerra de Valente” na tchon de Soncente era marcode, brigode c’lealdade ma coraja na ritme de quem pudesse a más. Quel manera de brigá lassim, criá na espirte de gente d’época um mentalidade bem especial que pove tchemá “Code D’Honra” e que fecá durante tcheu tempe ta fazê parte de nôs ixistença ma de nôs cultura, baseode na seriedade e respeite de “man to man”.

 

Moda era custume naquel tempe, log que tava parcê quês “Guerra de Valente”, alvícera tava corrê na rajada de vente pa tude conte de nôs Ilha de Monte Cara, tê cma naquel tempe ca tinha telifone, ás vez, tambor d’araute repicode ê que tava anunciá quel ô quês acontecimente.

Era “Guerra de Valente”, sim!. Ma pa nôs mnine, que ca tinha orda de basse pa quês lugar sisti quês guerra, cosa que n’era vontade que tava faltone, assim, nô tava limitá ta tchemás “Guerra de Gente Grande”, pa respeite pa quês home más grande que nôs.

Já na nôs rua, malta rapazim que tava querê incará na quês moce más bedje, ta querê dá pa home, ês, tava fazene log sinti nôs diferença d’idade e tava done quel grite de ba t’imbora, ô enton de mnine tchequer fagon. Sô pa pone na nôs lugar, de mnine que nôs era, pa nô pudia calmá e dexá de cuntinuá de ser insurra, ta querê cantá abuse ma trivimente.

Pa do que nô tava uvi contá daquês guerra, nôs tude tinha manias de bescá imitá sempre quês home más forte de nôs terra, ondê que cada um de nôs tava incontrá sê Campião. Assim, na mei de malta de nôs idade, pa saíba um guirrinha tinha que ter um más bedje pa betaba quel “CUSPE” na tchon, p’insulta podia saí, e quem pezaba cuspe primer ê qu’era cunsiderode más forte. Log tava sei quel soc.

Ô enton tava fazide quel menhoce de trá “CABEL” na bô cabeça, pa pol na cabeça de bô adversare e, cma gente tava teimá na ba bescal, log tava sei quel guirrinha brutchida c’soc trapaiode. Ma flizmente que ta tinha sempre gente ma grande pa partil, pa ca tem chatisse.

“Guerra de Valente” era ote cosa, era guerra de rixa d’home grande e, moda na tude parte de munde, na Soncente também nô tinha nôs Bezana de Campião. Home valente, esfolode que ca tinha mede de nada nem de ninguém, sempre dsiposte pa brigá.

Naquel tempe ca tinha mute jornal, nem televisão, quontamá pa teba internet! Ma nuvidade e nutícia, bsote creditome se bsote querê, log quês tava parcê, ês tava corrê pa depressa naquel bem cunchide telifone de moreia, assim tchmode pa pove, pa tude conte de Soncente, desde Baía de Porte Grande, Praia de Bote, Plurim de Peche, Praça Estrela, Barbaria, Plurim di Virdura, Norte, Sul, Este, Oeste de nôs Ilha em peseQuem ta dzê cma tude ês cosa já contecê na nôs Ilha, naquel tempe que tê “Gote de Mané Jon, moda Sérgio Frusoni dzê na sê morna, tava ingordá na gemada”. Era Vapor na Baía de passaja,ta carregá de carvon pas podia cuntinuá viaja, carregode de gente pa quês Sul aboxe, e quel negoce que tava dexá sempre um truquim valente que tava muvimentá e fazê vivê vida de tude nôs Cab Verd, via Soncente, que sempre partilhá sês rendimente ma tude quês ote Ilha irmon. Cosa que hoje em dia, já ca ta nem lembrode.

Assim era quel vida digne de nôs pove verdione, na sê manera de vivê. Ma depôs cabá carvon, carvon ca tem. Vida mudá tcheu e, ubrigá nôs gente a fugí na vapor c’coraçon pertode, pa ba espiá vida na estranger e garanti familia quel panela na lume de tude dia, quê quel Rafinaria de Standard Oil ( Holandês) que teria salvode tcheu impregue e evitá pove verdione d’emigrá, fui tropedeode já bsote sabê pa quem.

Na época de carvon, naquel grande actividade de traboi na mei de Baía de Porte Grande de pove ta bescá vida, tava tem sempre quês rixa de “Valente”, em que justá conta e exprimentá cumpanher força, pa galantaria de ser más forte na mei de colega era cosa que ca tava cabá. Enton, cma ês ca podia brigá na traboi, quê senon ês tava perdê ses job, assim quês Guerra era sempre marcode pa depôs de traboi.

Enton, maioria daquês “Home Valente” dum cone sô na pulse, daquel tempe que sabia brigá, ês tinha um “Code D’Honra”que ninguém tava tentá traí. Quê pa ês, selvajaria era cosa que ca tava ixisti na sês mei e na quês rixa ca ta tinha nunca nem facada, nem paulada, nem pedrada, nem garrafada e sobretude nem ruma, que pa gente de Soncente,ruma, era considerode cobardia (guerra sô de catchorre). Era sempre uns guerra isolode de “man to man” num quem pudesse a más, ma sempre naquel respeite e lealdade c’cumpanher sempre t’obedecê quel “ Ritual Sagrode” d’home na tchon ca ta sotode.

‘M tinha nove one quonde nha pai, que Deus dal Cêu, depôs de ter mi fete quel liçon de moral, levame pa primer vez pam ba oiasse nha primer “Guerra D’Home Grande na Compe de Jogue”, ta dzeme cma quel lá era pam pudia prendê ser home.

Soncente, naquel tempe tinha tcheu lugar cunchide d’incontre pa quês guerra depôs de traboi, moda: Praia de Bote, Praia de Corê, Cova d’Inglesa etc, ô enton, quonde cosa era dvera prop forte e que ta tinha tcheu gente pa sisti guerra, lugar principal di ricurse pa quês incontre, era lá n’antigue Compe de Jogue, perte de Funtinha.

Basta, moda tradiçon tava mandá, na rancar de qualquer guerra, tava fazide log quel grande roda na tchon c’tude gente de volta e aquês dôs brigador ês dôs sô lá na mei, siguide pa quel “Home de Respeite” que tava sirvi de “refree” (arbitre), pa controlaba quel guerra, pa ca tivesse golpe de cintura pra boxe ô soc boxe, cunsiderode vergonha e deshonra o que tava pô pove log ta reagi c’grite. Tude quês guerra, era na realidade uns verdader liçon de box, leal, c’força, valentia sem brincadera, ma c’mon nu na carã, sem luva.

Enton, tava sistide quês bons Guerra, em que cada um tinha sê manera prop d’seu de (brigá) boxeá. Uns era rapte dmunde moda ta querê resolvê problema log d’entrada, ês tava entrá c’força ta dá, dá, dá tê fazê adversare caí, otes era moda ta dzide “counter punch”, ês tava fecá ta esperá adversare bem dás, ês tava defendê, trocá pê e repicá cum serie de soc esquerde, direite rapte dmunde, tal era specialidade de DinDin de Nh’Antunin Mercone, bons esquiva de cabeça, bons hook (gonche ô crochet), upercut ô straight ( soc deboxe deboxe pa riba ô direte), tê six intches (seis polegada soc dode de mute perte curte e forte).

Moda jam dzê, e ‘m ta torná reptil, ês Guerra tava obedecê um ritual prop sagrode na nôs terra, cum verdader Code d’Honra, que pove tava respeitá bastante. Cosa era bem organizode, quê tinha uns árbitre (refree) bem cunchide e respeitode na mei popular, qu’era tchemode pa tistemunha, sempre que ta tinha quês Guerra considerode d’importante, moda Nhô Guste, pai de Nhê de Bilaus antigue guarda-redes d’Académica, Nhô Verissimo, pai d’Olavo ma Casmiro, Nhô Jack Rita e otes e otes, que ca ti ta beme grinhassim na mimória, quê lista é bem grande.

Tava tchmode el Code d’Honra sim, porquê ora cum home tava panhá K.O. (Knock Out) quel tava bai pa tchon, arbitre tava fastá quel adversare e tava cumeçá ta contá tê dez, siguide na fim pa quel abrir de broce ma quel grite “d’OUT”(fora) pa tude gente uvi, case quel home já ca tava podê argui, completode na fim da quel: – D’ home na tchon ca ta sotode (um atitude nobre que tava dignificá tude gente de nôs terra).

E que tude gente tava respeitá, coroá quel geste dum silence siguide dum salva de palma e más palma. Aposta de denher era proibibide naquel mei, ma tava parcê sempre e fazide el gatchode d’autoridade.

Tava tem tcheu guirrinha, ma sempre c’aquel grande lealdade que tava fazê orgui e gloria de nôs pove, o que tude gente, menine c’gente grande, tava procurá imitá e sigui exemple daquês bons brigador, qu’era tude home de palavra que tava mantê, tê na fim, tude du quês tava dzê.

Na mei de tude ês stora, tive alguns “Guerra” que marcá tchon de Soncente e tude um geraçon de nôs gente cunfundide. Ma, moda ês li, que tita bem sigui, bsote creditame cma nunca tive igual. Por isse el fecá na historia de nôs terra.

Jon Dilô que tinha tchegode de Merca, forton, cum peitaça, daquês que sô d’oial tava pô gente respeite. Pove na Ilha, já sabia cma na Merca el tinha frequentode quel bom escola de Box d’Irvin Cohen, grande treinador de Rocky Grazziano, que fui campião de pese médio, pa ca cunfundil ma Rocky Marciano Campião de pese pesode que bateba Joe Welcote. Ondê quel tava ba guentá time, ta fazê sparmat (um boxer más pesode, que ta treiná ma otes más leve, que ta estode ta bá ijgá pa chalenge).

Assim, nôs Jon Dilô, tchegode na Soncente binde de Merca, sporton moda el tava, pensá na sê cabeça cma el ê qu’era “Chefe” e que ninguém na terra tava tentá bescal guerra, insultal, quontamá sotal.

Enton, num dia normal de estiva (descarga de vapor) moda tude dia na Baía de Porte Grande de Mindelo, na borde de paquete, tava GAGANHA quel guarda fiscal que ca tava “mejá na nhame” bem fardode, pa controlá situaçon de traboi ma trabaiador, lá na borde.

Contecê que, JON DILÔ que nesse dia também tava ta trabaiá na estiva desse mesme paquete, ta trá sê dia de traboi, tive um diferença que vrá stora grave entre el ma GAGANHA, na borde. E na mei daquel discusson ma gritaiada dês dôs, Jon Dilô fetchá mon de soc, espancal c’força na palma daquel ote mon e mandal el num sinal de desafiu.

Nhas gente, basta foi log um suspense, quê dá, tude quel pove de estiva pará de trabaiá uns segunde, num silence d’interre, ta esperá quel decison saí. E lá Jon Dilô inda dzel p’insulta gritode e tude gente podia uvi cma:

– Hoje bô bá c’sorte, quê li, nem bô nem ninguém ca ta meteme mede e o que tita salvobe, pam ca betobe el li mesme na borde, ê sô bô “fardinha” limpim, prop bnitim, que bô ta bestide.

Gaganha, rapaz valente cunchide na terra pa sê bom esquerde, na qualidade de guarda ca perdê sê sangue friu na momente, ma cma por dentre fecá ta fervel, el vassalá, enton resposta foi clore pa Jon Dilô:

– “Fardinha”, não!… FARDA de favor! E, se bô quiser, depôs de traboi incontre la na tchon de Tabuga (Compe de Jogue-perte d’antigue Funtinha) num “Man to Man”, se bo crê?!

Jon Dilô reagí log de mon na cabeça c’sê “UÁ NHA M”! Ês li é que boca ti ta pedime diazá!… Basta foi log um abole já lá na borde, quê estiva celerá log traboi pal podia cabasse más depressa. Alvícera bem log quel hora, de borde pa terra, na gasolina de Captania ma Lantcha de Casa Miller que trazê quês primer trabaiador.

Na menos dum hora, tude Soncente já sabia daquel incontre de VALENTE, que tava ta ba tem na nôs Ilha de Monte Cara. E naquel tempe, moda gente tava dzê, ês era dvera quês dôs “Home” más forte de terra que tava ta ba brutchi. Enton, incontre fui marcode, moda era de esperá, quê tava ta ba tem pove pafronta lá na Compe de Jogue, pa cinque hora e meia da tarde.

Cidade de Mindelo quaz fecá basiu, quê tude loja ma comerce fetchá. Basta era pove e más pove ta infiá, desde quate hora da tarde, pa Compe de Jogue, home c’amdjer trocolode, num faladareza, trapaiode naquel currida sem fim de ba oiá um guerra daquel.

Basta tê Nha Bilaia, um amdjer já grande de quaz sês oitenta one, na confuson daquel currida pa Compe de Jogue, pa basse oiá guerra, tchegá de perdê sê dentadura, na mei daquel trupida de gente, ma pove fazê um break p’ijdal espial, ma cma despôs ês otchal, tude ês pude sigui sês camin pa diante sem merrinha. Nhô Abel, sê maride que também tava linhode, zangá ma ela na mei daquel confuson e betal um boa escrepa log lá na mei de gente e dzel:

– Oh Bilaia, lugar d’amdjer ê na casa, qsê quê bô também, ta bem oiá Guerra?!

Nha Bilaia, fresca e tchefra moda el era, dal log sê respustinha sec la mesme:

– Ei Abel, culcincinha de favor, adèche um Guerra dês li n’ê tude dia que gente t’oial li na nôs terra e hoje, ô bô querê, o bô ca querê, mi jame cmê corrente e fecá ta sabê cma nôs tude tem direite.

Basta risarada foi geral paquel manera de reagi de Nha Bilaia, pove pol na mei e djunte, ês sigui viaja pa Compe de Jogue, ba oiá quel guerra. Tude gente sabia, na terra, cma quel lassim era um “Guerra d’Home de Respeite”. Basta gente oiá tê “PLIÇA”, trode capacete, instalode lá traz de parede de Compe de Jogue, pa bá oiá quel guerrona.

Quel guerra lassim, foi um verdader liçon de box naquel dia, sem igual, pa tude quem tava la ta sistil. Quê nô oiá tude espece de soc, ma tapona, troca de pé, ma esquiva de cabeça, que pudia tem nesse munde. Um super guerra de dôs “HOME VALENTE” tê de fazê inveja e orgui de tude gente de nôs terra.

Basta ês brigá bem brigode, tê que tude ês dôs panhá “knock down” dôs vez, quer dzer, bai pa tchon dogode de soc, ma cma home na tchon ca ta sotode,“refree” ( arbitre) tava contá, ma sempre antes de dez, ês reagi, moda VALENTE, t’argui de tchon na mei de contaja, marrá dente na quexada, torná bem, torná cuntinuá sê guerra, sem reiá bandera.

Na fim, Nhô Guste pai de Nhê, arbitre (refree) de respeite, dás “all square” (impote), quê tude ês tava cansode, que nem uns tchuque depôs de ter dode prova de sês valentia. Decison que pove concordá, regode más um vez pa quel salva de palma de custume de tude assitença que durá quaz meia hora.

Guerra d’Home Valente daquel lassim, fecá resgistode, pa sempre naquel Livrona de Historia de Soncente – Cab Verd.

Basta tê hoje em dia, quonde nô t’incontrá malta nôs tempe, más bedje ô de nôs idade, inda nô ta lembrá daquel “Guerrona de Gaganha ma Jon Dilô”, que na época intchi más un recital de Pove de Soncente na sês tradiçon cultural e quel bom humor chei de morabeza d’outrora, moda Sr. Nena escrevê e c’razon na sê livre.

Na fim daquês guerra, mnine c’gente grande tava fecá sempre cum goste agradável na lembrança daquel bom momente passode, d’oiá depôs tude quel pove de Compe de Jogue rumá lá pa quel Bar de Nh’Antone Patrice la na Lombe, ba temá quel gruguim, pa trá poera de Compe de Jogue e falá daquês passaja más importante e bnite daquel “ loyal fight ”( luta leal ).

Pa nôs mnine, era um ligria bem grande, quê nôs nô tinha direite a temá nôs Pirolite, qu’era quel limonada que tinha um bolinha de vidre lá dentre de garrafa, binde da lá de Fábrica de Limonada de Sr. Timote Antunes e que tava fazê inconte de tude mnine na hora d’abril pamode quel pfsiiiiiittt…

Quel combate d’antologia de Gaganha ma Jon Diló lassim, fecá falode e registode pa tude tempe e tude um vida na História de Campião de nôs terra Soncente-Cab Verd, estimode, respeitode e mandode na têlêgrama, ma carta de pove pa pove verdione espaiode pa nôs Ilhas e MUNDE INTER.

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.